Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras sofre sem Borja e não consegue definir substituto

Roger Machado testa opções, porém time não rende sem atacante colombiano, que viajou para disputar a Copa do Mundo

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2018 | 07h00

A espera pela pausa no calendário do Campeonato Brasileiro para a realização da Copa do Mundo parece ser longa para o Palmeiras. O clube tem sentido falta do principal atacante, Miguel Borja, que está em compromissos com a seleção colombiana e deixou no time titular um espaço vazio. A posição de centroavante não tem um substituto pronto, para a angústia da torcida.

+ Hyoran pode ganhar vaga de Lucas Lima

+ Felipe Melo: 'Não vamos dar espetáculo sempre'

Os dois jogos do time realizados após a saída do colombiano foram um problema. O técnico Roger Machado testou quatro atletas na função. Contra o América-MG, pela Copa do Brasil, iniciou a partida com Deyverson, substituído no intervalo para a entrada de Willian, que fez o gol do empate, resultado responsável por garantir a classificação para a próxima fase.

Na partida seguinte, também no Allianz Parque, o Palmeiras optou por um esquema diferente. A equipe enfrentou o Sport, pelo Campeonato Brasileiro, sem centroavante fixo. Assim como feito na partida com o São Caetano, pelo Campeonato Paulista, o meia venezuelano Guerra foi acionado, porém o time não foi bem. O jogador deu lugar a Papagaio no segundo tempo da derrota por 3 a 2, no sábado.

O técnico manifestou preocupação com a falta de rendimento e principalmente a autoconfiança de Deyverson. O substituto imediato de Borja não marcou gols nesta temporada. Por ter atuado mal contra o América-MG, teve a saída comemorada como um gol pela torcida quando saiu para dar lugar a Willian, no intervalo. A situação fez Roger prometer um trabalho para resgatar o futebol do atacante.

"O primeiro passo é tentar recuperar o Deyverson, recuperar o prestígio dele com o torcedor. O Papagaio entrou antes porque todo mundo presenciou na quarta-feira a saída do Deyverson sendo mais comemorada do que um gol. Isso tira a confiança do jogador", afirmou. Entre as ações, o técnico pensa em escalar o atleta em partidas do time como visitante, para que possa atuar sem o contato com a impaciência dos palmeirenses aos seus erros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.