Clayton de Souza/ Estadão
Clayton de Souza/ Estadão

Palmeiras supera Capivariano em grande noite de Robinho

Meia faz os dois gols da vitória alviverde por 2 a 0, obtida só no fim

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2015 | 20h29

Estádio lotado, recorde de público e estreia de Arouca. Parecia um cenário ideal para mais uma bela vitória. Não foi fácil como a torcida esperava e quem garantiu a festa foi Robinho, aquele que, teoricamente, deveria estar no banco de reservas na noite deste sábado. Assim, o Palmeiras venceu o Capivariano por 2 a 0, no Allianz Parque e bancou a festa de pouco mais de 32 mil palmeirenses na casa nova.

Antes de começar o jogo, foi possível ver que Arouca tem tudo para cair na graça do torcedor. Ao lado de Zé Roberto, ele foi quem teve o nome mais gritado pela arquibancada no momento do anúncio da escalação. 

Robinho estava atuando nas últimas partidas no lugar de Arouca e, como estava bem, foi mudado de posição só para não sair do time. E a aposta do técnico Oswaldo de Oliveira foi certeira. Com a bola rolando, Arouca mostrou boa disposição para quem não faz uma partida oficial há dois meses e só não fez mais porque cansou logo no segundo tempo.

O time alviverde começou com tudo. Em três minutos, foram duas chances claras de gol. Na segunda, Cristaldo acertou a trave, após bonito giro sobre a marcação. Os toques rápidos e boa movimentação faziam o Capivariano ficar na roda, perdido, sem saber o que fazer. Zé Roberto, Arouca, Gabriel, Allione e Robinho deitavam e rolavam. Dudu estava um pouco abaixo dos companheiros.

Taticamente, deu certo o que o técnico Oswaldo de Oliveira planejou. Arouca e Gabriel trocavam de posição entre o primeiro e segundo volantes e confundiam a marcação. Claro que, em determinados momentos, pela falta de entrosamento, os dois acabavam subindo e abriam espaço para o time do interior se aventurar ao ataque, sem impor medo ao goleiro Fernando Prass.

A falta de um gol para ter maior tranquilidade no placar começou a mexer com os jogadores, que passaram a errar passes corriqueiros. A etapa final parecia replay do primeiro tempo. O Palmeiras voltou ligado, pressionou e parecia que faria o gol. O tempo foi passando e o ritmo voltou a cair. Pior, os espaços que tinham na primeira parte do jogo pareciam ter se fechado. 

GOLAÇO
O jeito, então, foi apostar nos cruzamentos para área, em busca de Cristaldo e Rafael Marques, que entrou no lugar de Allione. Arouca cansou rápido e Oswaldo resolveu voltar ao esquema antigo com Robinho como volante e Alan Patrick no meio de campo.

O que Oswaldo não contava é que com apenas oito minutos em campo, Alan Patrick sentiu dores na coxa esquerda e, chorando, teve de sair. 

Com dificuldades para chegar ao gol, brilhou a estrela de Robinho. Aos 35, o meia acertou linda cobrança de falta e mandou no ângulo do goleiro Douglas. Aos 43, o meia recebeu de Dudu e acertou um belo chute cruzado da direita para fechar o placar e garantir a festa alviverde e uma apertada vitória.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 x 0 CAPIVARIANO

PALMEIRAS - Fernando Prass; Lucas, Tobio, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel, Arouca (Alan Patrick, depois Victor Luis), Robinho e Allione (Rafael Marques); Dudu e Cristaldo. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

CAPIVARIANO - Douglas; Oliveira, Marllon, Hélio e Pedro Henrique; Júlio César (Esquerdinha), Samuel Souza, Wigor, Kleiton Domingues (Aílton); Franci e Rodolfo (Romão). Técnico: Ivan Baitello.

GOLS - Robinho, aos 35 e aos 43 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Júlio César, Franci, Oliveira, Hélio, Robinho.

ÁRBITRO - Norberto Luciano da Silveira.

RENDA - R$ 2.578.175,00.

PÚBLICO - 32.134 pagantes.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.