JARDEL DA COSTA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS
JARDEL DA COSTA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS

Palmeiras tem 10 dias para esfriar a cabeça após goleada

Marcelo Oliveira quer aproveitar tempo para corrigir erros da equipe

O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2015 | 07h00

O Palmeiras terá um rara pausa na temporada para tentar corrigir os erros que custaram a vaga no G-4 do Campeonato Brasileiro. Após a goleada sofrida para a Chapecoense no último domingo, o técnico Marcelo Oliveira terá 10 dias para fazer o time esfriar a cabeça e tentar dar a volta por cima. 

"Às vezes é impraticável (corrigir os erros) porque tem jogo quarta e domingo. Um dia é posterior ao jogo, o jogador não treina, depois já é véspera. Isso tem atrapalhado", reclamou o treinador após a goleada em Chapecó. "Temos mexido muito em um time em formação. Temos de aproveitar esses 10 dias para fazermos mais treinamentos nesse sentido", explicou. 

Além disso, o treinador tem a esperança que na volta do torneio após a breve pausa para as Eliminatórias da Copa do Mundo 2018, parte dos jogadores que estão machucados tenham condição de retornar aos gramados. "Nós estamos sem o Thiago Santos (suspenso na última partida), sem o Robinho, sem o Zé Roberto, sem o Cleiton Xavier. Só aí eu formaria um meio de campo muito bom. Infelizmente os jogadores machucaram e temos que valorizar quem está aqui", disse o treinador. Para a próxima partida, os desfalques certos são de Jackson e Egídio, que receberam o terceiro cartão amarelo. Arouca, que deixou o campo sentindo dores, irá passar por exames nesta segunda-feira para avaliar a gravidade da lesão.

A expectativa do treinador é que no próximo jogo da equipe, contra a Ponte Preta, no dia 14 de outubro, o time já tenha conseguido reverter algumas falhas que custaram o G-4 do Brasileirão. Com nove jogos ainda pela frente no torneio e as semifinais da Copa do Brasil contra o Fluminense, os erros podem acabar com as pretensões do time para este ano.

"O Palmeiras vinha de três vitórias e um empate, mas em algum momento cobramos muito que erguemos demais a bola. Precisamos de um meio-campo que possa jogar mais", explicou Marcelo, já sinalizando o que planeja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.