André Costa
André Costa

Palmeiras tem atuação ruim, perde do Goiás por 1 a 0 e deixa o G-4

Equipe não repete o brilho do fim de semana e cai para sexto

Almir Leite, O Estado de S. Paulo

03 de setembro de 2015 | 00h01

O Palmeiras saiu de novo do G-4 do Brasileirão, uma rodada depois de ter entrado. Caiu para o sexto lugar ao perder para o Goiás por 1 a 0 ontem, no Serra Dourada, e permanecer com 34 pontos. O time teve uma atuação ruim e voltou a ser atrapalhado pela irregularidade que o tem marcado no campeonato. Domingo, o Alviverde tentará a recuperação no clássico com o líder Corinthians, no Allianz.

Nesta quarta-feira, no primeiro tempo, o Palmeiras sentiu claramente a falta de um articulador de jogadas. O time tomou a iniciativa, mas, sem alguém capaz de dar qualidade ao passe, encontrou grande dificuldade para chegar ao gol do Goiás.

Amaral e Thiago Santos até tentaram iniciar alguns lances ofensivos. No entanto, não têm habilidade para tal. Robinho também procurou jogo, mas, sobrecarregado, pouco produziu. Dudu também esteve apagado em boa parte da etapa.

Com isso, Lucas Barrios ficou isolado – os laterais também pouco apoiaram, desperdiçando uma boa alternativa de ação ofensiva – e o Palmeiras passou a apelar para as bolas longas em direção a Gabriel Jesus.

O talentoso menino, aliás, começa a ser marcado mais de perto, e às vezes até com virilidade, como era previsível. Ainda assim foi o responsável pelas melhores ações ofensivas do time palmeirenses. Além de protagonizar a única jogada a rigor digna de nota da etapa. Aos 24 minutos, ele recebeu a bola na entrada da área, deu belíssimo chapéu em Fred, mas chutou por cima do gol. Uma pena.

O Goiás, por sua vez, tentou explorar as costas de Egídio, uma verdadeira avenida pelo lado esquerdo da defesa do time paulista. Mas a rigor também não assustou muito. Concluiu três vezes com Zé Love, mas na mais eficiente delas o goleiro Fernando Prass fez boa defesa.

O Palmeiras ainda terminou a etapa reclamando de um gol mal anulado - foi dado impedimento que não houve – e de um pênalti igualmente não assinalado, num lance em que Barrios chutou e Gimenez desviou a bola com o braço, mas a arbitragem havia marcado impedimento, que não existiu. O Goiás também reclamaria de um pênalti não marcado por Leandro Vuaden, numa disputa na área entre Eric e João Paulo que, no chão, colocou a mão na bola. João Paulo havia entrado no lugar de Egídio.

O jogo ficou franco, aberto. Nenhuma das duas equipes se preocupava em fazer as jogadas passar pelo meio de campo. As chances começaram a aparecer de ambos os lados. O Palmeiras perdeu com Barrios e Robinho, e o Goiás acabou marcando com Bruno Henrique. Foi um belo gol. Ele recebeu pela esquerda, deixou João Pedro sentado e chutou colocado, sem chance para Prass.

Com a vantagem, conseguida aos 17 minutos, o Goiás se fechou. Passou a dar campo ao Palmeiras, mas dificultava a penetração. E sua saía na boa. Depois disso, o Palmeiras até tentou, martelou. Mas, desordenado e com limitações de seus jogadores, não conseguiu reverter a desvantagem.

FICHA TÉCNICA

GOIÁS 1 X 0 PALMEIRAS

GOIÁS - Renan, Gimenez, Alex Alves, Fred e Diego Barbosa; Rodrigo, Patrick e David (Murilo Henrique); Zé Eduardo (Wesley), Erik e Bruno Henrique (Ygor). Técnico: Julinho Camargo.

PALMEIRAS - Fernando Prass, João Pedro, Vitor Hugo, Vitor Ramos e Egídio (João Paulo); Amaral, Thiago Santos (Rafael Marques) e Robinho; Gabriel Jesus, Barrios (Alecsandro) e Dudu. Técnico - Marcelo Oliveira.

GOL - Bruno Henrique, aos 18 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Leandro Pedro Vuaden (RS).

CARTÕES AMARELOS - Alex Alves e Ygor (Goiás); Gabriel Jesus, Victor Ramos, Vitor Hugo (Palmeiras).

RENDA: R$ 406.377,00

PÚBLICO - 15.142 pagantes

LOCAL - Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO).


Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPalmeirasGoiás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.