Divulgação/SE Palmeiras
Divulgação/SE Palmeiras

Palmeiras tem palestra sobre VAR com árbitro que o prejudicou contra o Boca em 2001

Ubaldo Aquino, atual assessor internacional de arbitragem da Conmebol, marcou um pênalti inexistente para os argentinos e não deu um penal para os palmeirenses

O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2018 | 15h53

Antes de enfrentar o Colo-Colo, pelas quartas de final da Libertadores, o Palmeiras teve uma palestra sobre VAR, na noite de quarta-feira, com o ex-árbitro Ubaldo Aquino, no hotel onde a equipe está concentrada na cidade de Santiago, no Chile. Aquino é um nome lembrado pelos palmeirenses até hoje, por ter cometido dois graves erros em uma partida contra o Boca Juniors, em jogo de ida da semifinal da Libertadores de 2001.

O ex-árbitro atualmente é assessor internacional de arbitragem da confederação sul-americana. Ele deu uma palestra ao lado de Wilson Luiz Seneme, presidente da comissão de arbitragem, e de Cícero Souza, gerente de futebol do Palmeiras. O tema foi a utilização do VAR nas partidas válidas pela Libertadores e o clube divulgou fotos da palestra.

Ubaldo Aquino, inclusive, estará na partida do Palmeiras contra o Colo-Colo como assessor do VAR. A utilização do vídeo se tornou uma grande polêmica na quarta-feira, quando o zagueiro Dedé, do Cruzeiro, foi expulso durante a partida contra o Boca Juniors. O árbitro do jogo viu as imagens pela TV e entendeu que o brasileiro agrediu o goleiro Andrada e deu cartão vermelho direto para o cruzeirense.

Aquino se tornou 'persona non-grata' pelos palmeirenses em 2001. Aos 42 minutos do primeiro tempo da partida entre Palmeiras e Boca, quando o time brasileiro vencia por 1 a 0, gol de Alex, Aquino viu falta do zagueiro Alexandre no atacante Barijho dentro da área e deu um pênalti inexistente para os argentinos.

O Boca empatou, o Palmeiras voltou a ficar à frente, com gol de Fábio Júnior e levou o empate com Barijho. Durante a partida, o volante Fernando sofreu um pênalti claro cometido pelo goleiro Córdoba e o árbitro não marcou e ainda deu cartão amarelo para o jogador - que foi expulso depois. No fim, a decisão foi para os pênaltis e os argentinos levaram a melhor. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.