Palmeiras tem teste de fogo contra o Figueirense em SC

As goleadas em casa sobre Oeste e ABC mostraram que o Palmeiras está em evolução, principalmente do meio-de-campo para a frente. Mas o primeiro grande teste para determinar o quanto a equipe evoluiu durante a parada na Copa das Confederações será na tarde deste sábado, contra o Figueirense, um dos favoritos para ficar com uma das quatro vagas de acesso e que tem apenas dois pontos a menos na tabela da Série B (18 a 16).

DANIEL BATISTA, Agência Estado

20 de julho de 2013 | 07h05

"É um jogo de seis pontos. Eles estão próximos na tabela, têm tradição, são um dos nossos concorrentes diretos e em seus domínios são fortes", disse o técnico Gilson Kleina, ao avaliar a dificuldade que o Palmeiras terá neste sábado, diante do Figueirense, no Estádio Orlando Scarpelli, a partir das 16h20, em Florianópolis.

Durante a semana, o técnico treinou bastante o posicionamento defensivo palmeirense, para tentar minimizar as falhas das últimas partidas. Embora seja o time menos vazado da Série B, com apenas quatro gols sofridos, a defesa falhou muito na marcação e saída de bola nos últimos dois jogos (4 a 0 no Oeste e 4 a 1 no ABC). Por sorte, os adversários eram fracos e não souberam aproveitar as chances que tiveram.

Gilson Kleina será obrigado a fazer uma mudança no setor. O zagueiro Henrique está suspenso pelo terceiro cartão amarelo e será substituído por Vilson, que está de volta após quase três meses sem atuar em um jogo oficial. Ele se machucou no dia 21 de abril, na derrota por 2 a 1 para o Ituano, e passou por uma artroscopia no joelho esquerdo. "Perdi um jogador importante, mas teremos a volta do Vilson, o que dá muita confiança", disse o treinador.

ENTROSAMENTO - O restante da equipe é o mesmo dos últimos dois jogos. A ordem é apostar no entrosamento e no toque de bola, que tanto chamou a atenção na vitória de 4 a 1 sobre o ABC. Assim, o meia paraguaio Mendieta continua no banco de reservas, até que o treinador se convença de que ele e o chileno Valdivia podem começar jogando juntos sem que o meio-de-campo palmeirense fique muito frágil na marcação.

Ao lado de Mendieta no banco estará o atacante Alan Kardec, outro recém-contratado, que foi relacionado para uma partida pela primeira vez. "Sei que cheguei com a obrigação de fazer gols e espero corresponder. Não estou 100% fisicamente, mas me sinto em condições de ajudar a equipe", avisou o jogador.

O meia Felipe Menezes, que também chegou recentemente ao clube, não viajou para Santa Catarina porque a comissão técnica avalia que ele ainda precisa melhorar a condição física. E o volante uruguaio Eguren, outro reforço contratado, ainda depende da regularização da documentação para poder estrear com a camisa palmeirense.

No Figueirense, o técnico Adilson Batista faz mistério sobre a escalação. O time ganhou os últimos dois jogos tendo reservas como destaques e, por isso, ele pode escalá-los. O atacante Ricardo Bueno, ex-Palmeiras, é uma das armas: já fez quatro gols em duas partidas.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie BPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.