Anderson Rodrigues/Estadão
Anderson Rodrigues/Estadão

Palmeiras tem um duelo de reencontros contra o Grêmio no Pacaembu

Time alviverde vê do outro lado o técnico Luiz Felipe Scolari e o atacante argentino Hernán Barcos

Daniel Batista e Lucas Azevedo , Estadão Conteúdo

11 de outubro de 2014 | 07h05

Empolgado com as duas vitórias consecutivas no Brasileirão, o Palmeiras viverá neste sábado uma noite de reencontros com antigos ídolos. Na partida contra o Grêmio, às 21 horas, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pela 28.ª rodada, o time alviverde verá do outro lado Luiz Felipe Scolari e o atacante argentino Hernán Barcos, que jogará pela primeira vez em São Paulo desde a sua conturbada saída do clube.

No meio de tudo isso, está a necessidade da equipe alviverde de vencer para se manter distante da parte de baixo da tabela de classificação e mostrar que os resultados positivos não se deveram à sorte, mas à capacidade de um time limitado, porém muito voluntarioso. Os quatro próximos jogos serão contra equipes que estão na parte de cima da tabela. Depois do Grêmio, o Palmeiras enfrentará, na sequência, Santos, Cruzeiro e Corinthians.

"Neste campeonato têm acontecido resultados surpreendentes, como o da Chapecoense (venceu por 5 a 0 o Internacional). Então não dá para falar nada sobre o que pode acontecer nas partidas", afirmou o goleiro Fernando Prass, que não chegou a trabalhar com Felipão e teve poucos meses de convivência com Barcos.

O treinador encerrou a sua segunda passagem pelo clube em setembro de 2012 e foi apontado por muita gente como um dos principais responsáveis pelo rebaixamento naquele ano. Por outro lado, ele levou a equipe ao título da Copa do Brasil do mesmo ano. A última vez que Felipão enfrentou o Palmeiras foi em 2001, quando o time empatou com o Cruzeiro por 2 a 2, pela Copa Libertadores, e Marcos brilhou na disputa por pênaltis.

Barcos foi o artilheiro da equipe em 2012 e se transferiu para o Grêmio no início da temporada seguinte, em uma negociação bem conturbada. No primeiro turno do Brasileirão, ele enfrentou o Palmeiras e quase fez dois gols. Prass sabe que o clima no estádio será diferente. Até a tarde desta sexta-feira, mais de 12 mil ingressos tinham sido vendidos e a expectativa é que no mínimo 20 mil palmeirenses estejam no Pacaembu. "A gente sabe, por ser uma negociação bem recente, que o torcedor vai querer que a gente dê uma chegada mais forte nele, mas não podemos cair nessa pilha", alertou. Leandro, reserva do Palmeiras, também encontrará seu ex-clube pela primeira vez.

O técnico Dorival Junior não vai mexer na formação tática e na espinha dorsal do Palmeiras. A única alteração em relação à equipe que derrotou o Botafogo será a entrada de Washington no lugar de Marcelo Oliveira, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Nathan está com a seleção brasileira sub-21 e Allione sente dores musculares.

O jogo também terá um confronto de artilheiros. Henrique tem 13 gols no Brasileirão e divide a artilharia com Marcelo Moreno, do Cruzeiro. Em seguida aparece Barcos, com 11. Na lateral direita, João Pedro, de apenas 17 anos, continua como titular, confirmando a sua rápida ascensão. Seu primeiro jogo foi no dia 17 de setembro, contra o Flamengo.

Já pelo Grêmio, equipe entra em campo desfalcado. São cinco titulares que devem ficar de fora: o goleiro Marcelo Grohe, o zagueiro Rhodolfo, os volantes Matheus Biteco e Walace e o atacante Luan.

Entretanto, a equipe gaúcha se sente confiante, ainda mais que, se vencer, pode virar o vice-líder do campeonato. O Grêmio vem de uma vitória por 2 a 0 sobre o Sport, em Porto Alegre. Com o resultado, o time tricolor está em quarto na tabela de classificação com 46 pontos, atrás do rival Internacional (47), do São Paulo (49) e do líder Cruzeiro (56).

Riveros deve voltar à equipe comandada por Luiz Felipe Scolari e Bressan, no lugar de Rhodolfo lesionado, formará a zaga com Pedro Geromel.  

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.