Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Palmeiras tem um projeto bem definido com a chegada de Vanderlei Luxemburgo

Decidir o futuro de alguns atletas e apostar mais na qualidade ao invés da quantidade estão entre objetivos do novo treinador

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2019 | 04h35

O Palmeiras acertou no domingo a contratação do técnico Vanderlei Luxemburgo e agora a diretoria corre contra o tempo para evitar que o planejamento de 2020 fique comprometido em razão da demora para o acerto com um novo técnico para substituir Mano Menezes, demitido ao término da temporada. O objetivo é ter boa parte das definições até sexta-feira, antes, portanto, do recesso do Natal e Ano Novo.

A data é considerada como o "último dia útil de 2020" para os dirigentes palmeirenses. A tendência é que diminua consideravalmente o ritmo de negociações em razão das festividades de fim de ano. Isso fará com que determinadas transferências sejam retardadas e a indefinição é algo que aflige a diretoria do Palmeiras nesse momento. O presidente Maurício Galiotte está pressionado, após um ano sem títulos. Ele sabe que em 2020 a cobrança será maior.

Durante as conversas com Luxemburgo e Sampaoli, os dois único treinadores com quem a diretoria do clube negociou, o objetivo apresentado aos profissionais foi o mesmo. E com muita clareza. A determinação é deixar de lado a ideia de pacotão de reforços, com a contratação desenfreada de atletas, muitos deles caros para o mercado brasileiro, e investir em qualidade. Portanto, o clube deixa de apostar na quantidade de jogadores no elenco para segurar e investir em atletas pontuais. O Palmeiras deve fazer poucas contratações e utilizar a tão vitoriosa categoria de base, que se destacou durante todo o ano. Gabriel Veron, por exemplo, deverá continuar a ser usado no time de cima.

INVESTIMENTO NA BASE

Nos últimos anos, o Palmeiras tem passado por uma grande reformulação em sua categoria de base. Os resultados estão sendo vistos somente agora. A equipe alviverde é uma das mais fortes no sub-17 e sub-20 e alguns atletas, mesmo ainda jovens, já começam a aparecer e devem ser aproveitados por Luxemburgo. É o caso, por exemplo, do meia Gabriel Veron. O garoto de 17 anos chegou a ser aproveitado nas últimas rodadas do Brasileirão, fez gols e é visto pela diretoria como um reforço que deve se destacar em 2020.

Em razão dos gastos excessivos do clube nos últimos anos em reforços, o Palmeiras não está mais "nadando em dinheiro" como antes. A saída do diretor de futebol Alexandre Mattos fez Galiotte e seus vices avaliarem que o momento talvez seja de mudar a postura e apostar em contratações prontas, que cheguem para jogar. O Palmeiras já tem um elenco numeroso, embora alguns atletas devam ser negociados. "Para compor elenco, podemos apostar em garotos da base. Um ou dois deles podem estourar e conseguimos ter retorno técnico e financeiro", explicou um dirigente ao Estado.

EMPRESTADOS

Além dos meninos da base, o clube também deve avaliar a situação de jogadores que foram emprestados para ganhar experiência. É o caso do atacante Artur, do Bahia, que sem espaço no time alviverde se destacou no clube baiano. O atacante Papagaio, que estava no Atlético-MG, também será reavaliado pela nova comissão técnica.

NEGOCIAÇÕES

O Palmeiras deve ainda negociar alguns atletas antes de janeiro. O clube já anunciou a venda do volante Thiago Santos ao Dallas FC, dos Estados Unidos. O atacante Henrique Dourado, que estava emprestado até o fim do ano, volta para o Henan Jianye, da China. O goleiro Fernando Prass vai deixar o clube sem contrato e o zagueiro Edu Dracena anunciou sua aposentadoria. Outras negociações estão encaminhadas, mas foram paralisadas até que um novo técnico chegasse. A ideia é vender algum jogador por valor elevado, de modo a conseguir, com o dinheiro, equilibrar as contas e dar fôlego para correr atrás de reforços de peso.

BORJA E DEYVERSON

Os dois atacantes devem ter uma atenção especial de Luxemburgo. Inicialmente, ambos estão na lista de atletas que podem deixar o clube, mas há a possibilidade de o treinador decidir segurar pelo menos um deles e tentar "salvá-lo". Esse é um dos assuntos que Luxemburgo precisará resolver nos próximos dias.

REJEIÇÃO DA TORCIDA

Desde que o nome de Luxemburgo surgiu como possível treinador, a torcida se dividiu entre os que gostam e os que não gostam do treinador. Nos bastidores, a diretoria do Palmeiras entende que isso não é algo que preocupa e usa como exemplo o que aconteceu com Felipão. No último retorno do treinador gaúcho, também houve rejeição, mas os resultados fizeram com que o experiente treinador voltasse a ser idolatrado pela maioria até sua demissão.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasfutebolVanderlei Luxemburgo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.