Palmeiras tenta brecar saída de Ilsinho para o Shakhtar

Lateral, que estava no São Paulo, é negociado com o clube ucraniano por cerca de R$ 28 milhões

Juliano Costa, do Jornal da Tarde,

31 de julho de 2007 | 21h19

O Palmeiras entrou nesta terça-feira com uma ação na Justiça do Trabalho contra o São Paulo e o lateral-direito Ilsinho, pedindo uma liminar que suspenda a transferência do jogador para o Shakhtar, da Ucrânia. A alegação é que houve irregularidade na saída de Ilsinho para o São Paulo, no ano passado."Como clube formador, o Palmeiras deveria ter sido notificado pelo Ilsinho sobre a proposta de um outro clube para que pudesse exercer a cláusula de preferência que consta na Lei Pelé", explicou o vice-presidente de futebol palmeirense, Gilberto Cipullo. O supervisor de futebol do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, classificou como "absurda" a postura do Palmeiras, e garante que seu clube agiu dentro da lei. "O jogador é livre, vai para onde quiser. Nós também perdemos vários jogadores assim."O Palmeiras, no entanto, já notificou a CBF, a Fifa e o Shakhtar sobre a ação, que ainda não tem data para ser apreciada. Caberá à Justiça decidir se o Palmeiras ainda tem direitos sobre Ilsinho ou se a ida dele para o São Paulo foi legal.Pela legislação da Fifa, o clube, como formador do lateral, teria direito a 5% do valor pela transferência de Ilsinho para o Shakhtar - R$ 1,4 milhão, já que o valor citado é de R$ 28 milhões. Cipullo classificou como "coincidência" o fato de levar o caso à Justiça só agora, após o surgimento da oferta milionária. O atleta assinou contrato com o clube ucraniano na semana passada.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasSão Paulo FCIlsinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.