José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Palmeiras tenta superar perda de Henrique contra o Penapolense

Desafio da equipe contra o time de Penápolis é mostrar que saída do capitão não vai atrapalhar

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2014 | 04h57

SÃO PAULO - O Palmeiras entra no Pacaembu nesta quinta-feira, às 19h30, para enfrentar o Penapolense, convivendo com duas situações bem distintas. Dentro de campo, a equipe vive calmaria e é a única com 100% de aproveitamento no Estadual. Fora dele, Henrique, um dos principais jogadores e até então capitão da equipe, forçou sua negociação para o Napoli e deixou o clube pela porta dos fundos. A missão de Gilson Kleina é evitar que a confusão mexa negativamente com os jogadores.

A ausência de Henrique foi sentida pelo grupo. Resta saber o quanto isso pode interferir no desempenho em campo. "Ele fará falta, pois sabemos de sua qualidade. E é uma grande pessoa. No dia a dia era um cara brincalhão, mas que chamava a responsabilidade. Ficamos tristes por perder um jogador como ele, mas vamos nos recuperar", disse Juninho.

Taticamente, Kleina tenta evitar ao máximo mexer na formação, exatamente para não estragar o que tem dado certo. Por isso, para o lugar de Henrique, o treinador surpreendeu e resolveu apostar em Wellington, que nem sequer estava sendo relacionado para os jogos e havia sido liberado para procurar clubes que quisessem levá-lo por empréstimo.

A mudança mais lógica seria recuar Marcelo Oliveira para formar dupla com Lúcio, mas a ideia foi abandonada porque o volante tem jogado bem em sua posição e deslocá-lo para a defesa faria o treinador mexer em duas posições. E França, que poderia ser utilizado como volante, ainda não tem condições de atuar 90 minutos.

Wellington surgiu na base do Palmeiras e foi promovido por Felipão em 2012. Chegou a atuar algumas vezes no mesmo ano, mas ficou marcado por ser expulso com menos de 30 minutos de jogo na partida contra o Atlético-GO, pela penúltima rodada do Brasileiro. Foi emprestado para Atlético Sorocaba e ASA e retornou ao clube no início do ano.

Quem também vai para o jogo é Valdivia. Havia a possibilidade de o chileno ser poupado, mas os exames feitos na terça-feira mostraram que ele tem condições de atuar por pelo menos 45 minutos para depois descansar, já que domingo tem o clássico contra o São Paulo.

Os zagueiros Tiago Alves e Victorino e o atacante Diogo estão fora, em busca de melhor forma física, enquanto os volantes Eguren e Renato se recuperam de lesão.

A partida marca também a estreia da nova camisa do Palmeiras para o centenário. Com detalhes dourados no ombro e um símbolo no meio do peito que faz alusão ao centenário do clube, o uniforme será lançado em evento antes do jogo, no Pacaembu.

Depois da partida, o elenco viaja para Atibaia, onde treina amanhã e sábado e se concentra para enfrentar o São Paulo.

VELHOS CONHECIDOS

Um fato curioso é que o Penapolense treinou ontem na Academia de Futebol e os dois times chegaram a trabalhar alguns minutos ao mesmo tempo. O time de Penápolis conta com o zagueiro Gualberto e o volante Fernando, que já defenderam o Palmeiras, além do técnico Narciso, que dirigiu o Alviverde em um clássico contra o Corinthians, entre a saída de Felipão e a chegada de Kleina. O meia Neto está suspenso. Edilson, que pertence ao Palmeiras, também não joga.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS: Fernando Prass; Wendel, Lúcio, Wellington e Juninho; Marcelo Oliveira, Wesley, Mazinho e Valdivia; Leandro e Alan Kardec.

Técnico: Gilson Kleina

PENAPOLENSE: Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Biro; Liel, Petros (Fernando), Washington e Guaru; Fio e Alexandro.

Técnico: Narciso

JUIZ: Flávio Rodrigues de Souza

LOCAL: Pacaembu, em São Paulo

HORÁRIO: 19h30

TV: Pay-per-view

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.