Palmeiras terá cautela com Pedrinho

Não será domingo, contra o Paysandu, em Belém, que Pedrinho reassumirá a condição de titular do Palmeiras. Mesmo depois de ter comandado a virada sobre o Vasco no sábado, jogando apenas os 45 minutos finais, o meia ainda precisará de um tempo para recuperar completamente a forma. De acordo com o preparador físico Sullivan Dallavalle, não menos do que 30 dias. "É difícil prever, mas eu acredito que em um mês, aproximadamente, o Pedrinho já estará em condições de jogar os 90 minutos", revelou o preparador físico do clube.O desafio da comissão técnica do Palmeiras é encontrar o ponto de equilíbrio em que o jogador possa trabalhar num ritmo forte sem comprometer sua musculatura.Pedrinho está atrasado fisicamente em relação aos demais jogadores do elenco por duas razões: não ter feito a base do condicionamento físico no começo da temporada, já que se recuperava de uma fratura no quinto metatarso do pé esquerdo; e por ter uma composição genética diferenciada, um pouco mais frágil do que a grande maioria de seus companheiros."Se eu der ao Pedrinho a mesma carga de trabalho dos demais ele pode sentir. Por isso, elaboramos um planejamento diferenciado, feito em cima de suas características físicas", explicou o preparador físico do Palmeiras.Esse planejamento será mantido até que o Pedrinho atinja um condicionamento compatível com o resto do grupo. "E isso você não consegue da noite para o dia. Por isso, a tendência é de que ele continue entrando no decorrer das partidas. Vamos cobrar do Pedrinho só aquilo que ele pode dar. Se ele jogou 45 minutos bem contra o Vasco, pode jogar outros 45 contra o Paysandu num ritmo um pouco mais forte e, a partir daí, ir aumentando o tempo de suas atuações", afirmou Sullivan Dallavalle. ?O que não pode é forçarmos o ritmo e corrermos o risco de ele ter de parar outra vez.?Tudo bem - "Se tiver que ficar no banco contra o Paysandu, não tem problema nenhum", garantiu Pedrinho. "Vou trabalhar no que for preciso para recuperar o tempo perdido e chegar no mesmo nível dos demais. Sei que estou um ponto atrás no aspecto físico, mas a recuperação é só uma questão de tempo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.