Palmeiras terá embaixada de ex-ídolos

Luís Pereira e Leivinha podem voltar a servir o Palmeiras, mais de 25 anos depois de terem sido negociados para o Atlético de Madri por US$ 1 milhão. Os dois antigos astros tiveram seus nomes lembrados logo após o sorteio que colocou o time brasileiro como cabeça-de-chave do grupo que joga no Vicente Calderón. O presidente Mustafá Contursi e seu antecessor, Carlos Facchina Nunes, estudam a possibilidade de nomear os ex-jogadores como embaixadores do clube no Mundial da Fifa."Ambos foram ídolos no Atlético e seriam úteis para atrair a simpatia dos torcedores locais", lembrou Facchina Nunes, à saída do auditório do Palácio de Congressos. "São nomes respeitados e têm ligação forte com o Palmeiras." A dupla deixou saudades na segunda equipe madrilena. Na semana passada, Luís Pereira e Leivinha circularam por Madri a convite de um jornal local, que os fez relembrar os tempos em que defendiam o Atlético, hoje na série B da Espanha, mas com boa possibilidade de promoção para a próxima temporada.Mustafá tinha certeza de que o Palmeiras jogaria em La Coruña, pois no dia anterior havia sido decidido que encabeçaria um dos grupos. Mas não escondeu até satisfação pela escolha por Madri. Em sua avaliação, o time sofrerá menos pressão, porque jogará em campo neutro. "É um grupo bom", reconheceu. "Teoricamente, vamos decidir com o Galatasaray, o que é melhor do que se jogássemos com Deportivo ou com o Real Madrid.Certamente, teríamos o peso da torcida local. E isso sempre conta." O dirigente já havia pesquisado hotéis e campos de treinamentos na região de La Coruña, pois estava preparado para enfrentar o Deportivo.Mas nesta terça-feira mesmo pretendia ir a Madri para iniciar contatos com o Atlético e conhecer o Vicente Calderón. Porém, a tarefa de escolha de locais de concentração será repassada para o diretor Américo Faria e seus colaboradores. "Quem tem de ver tudo isso é gente do ramo", explicou. "Não os cartolas", emendou. "O pessoal da comissão é que vai determinar o campo melhor para treinos, o hotel que fica mais fácil para deslocamentos e coisas desse gênero. O que eu posso fazer é dar uma olhada inicial. Nada mais do que isso." Mustafá garantiu que vai empenhar-se em garantir o maior número possível de ingressos para torcedores do Palmeiras. A intenção é a de repassar entradas para operadoras, que vão ser responsáveis pelos pacotes para os palmeirenses. "Não vou entregar para um grupo apenas, para não caracterizar monopólio", sustentou. "Mas quero que os torcedores venham para cá legalmente a amparados. Só não vamos nos responsabilizar por aqueles que resolverem fazer suas viagens de forma independente", avisou.O presidente do Palmeiras acha que Madri terá mais apelo para o torcedor do que La Coruña, embora nessa época do ano faça muito calor e a cidade fique mais vazia, porque coincide com as férias dos espanhóis."Aqui, as pessoas terão mais opções de lazer", ponderou. O que não deixa de ser verdade. Além disso, não deve haver muita dificuldade para quem quiser comprar ingressos para os jogos do Palmeiras, porque é uma chave composta de estrangeiros. Sem grande apelo para o público local.A torcida não deve esperar mais novidades no elenco para o Mundial. Na avaliação de Mustafá, os reforços vieram, em "quantidade e qualidade", e caberá ao técnico Celso Roth montar a equipe mais eficiente e o mais rapidamente possível. "Fizemos nossa parte", acredita o presidente, que imagina ver o time pelo menos na segunda fase do torneio. "Agora cabe ao treinador saber aproveitar o que ele tem de melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.