Palmeiras: time cada vez mais ofensivo

Quanto mais um torneio se aproxima da decisão, mais difícil fica para um time chegar ao gol. Correta a premissa? Errada, quando se trata do Palmeiras. À medida que o Campeonato Paulista avança para o final, se torna mais agressiva a equipe do técnico Jair Picerni. Essa tendência, porém, corre riscos porque Adriano Chuva, contundido, deve ser desfalque no primeiro jogo das semifinais contra o Paulista, sábado, no Palestra Itália. A princípio, o torcedor pode ter a impressão de que o Palmeiras tem errado mais nas conclusões. Mas, segundo Félix Melo, da Data Foot, empresa que faz as estatísticas das partidas para Picerni, isso é resultado da maior agressividade da equipe. Para se ter uma idéia, na estréia da competição, contra o próprio Paulista, o Palmeiras chutou 25 vezes ao gol - 12 foram para fora, ou seja, a bola saiu sem a intervenção do goleiro ou dos zagueiros. Contra a Portuguesa Santista, ontem, o número de erros nos arremates foi maior, 16, mas a equipe chutou 32 vezes com a intenção de marcar. O aumento de produtividade do Palmeiras não pára por aí. No total, até melhorou com a bola nos pés - conseqüência dos cuidados insistentes do técnico que, nos "rachões" realizados antes dos jogos, proíbe os jogadores de tocarem na bola mais de duas vezes. "Na Série B do Brasileiro, quando começamos a contagem, a média de passes errados por jogo era de 38", recorda o treinador. "No Paulista, esse índice já caiu para 28." Preocupação - Mas nem tudo é alegria no Palestra Itália. O atacante Adriano Chuva sofreu grave contusão no joelho direito, no domingo, ao se chocar com o muro de sustentação do alambrado do Estádio Ulrico Mursa. "O trauma foi forte", disse o médico Vinícius Martins. O atleta fará exame de ressonância magnética amanhã e a possibilidade de cirurgia não está afastada. "Sua presença em campo sábado é dúvida", reconhece o médico do clube. Outro jogador que faz tratamento é o volante Magrão. Além dos pontos na perna, após corte sofrido no jogo contra o São Gabriel, pela Copa do Brasil, ele se recupera de estiramento na coxa esquerda. O caso de Diego Souza, segundo Martins, é mais simples. O meia teve inflamado corte no joelho. O goleiro Marcos passou bem pelo teste do jogo e deverá ser mantido na equipe.

Agencia Estado,

22 de março de 2004 | 19h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.