Palmeiras traça programação para jogo com Sport

Nos bastidores, a lenha já foi acesa pela troca de acusações dos dois lados. Mas ainda faltam 20 dias para o duelo entre Palmeiras e Sport, marcado para 8 de abril, em Recife, pela Libertadores. Vencer o rival pernambucano é fundamental para os palmeirenses seguirem vivos na competição continental, onde ocupam a lanterna do Grupo 1, com duas derrotas em dois jogos disputados até agora.

DANIEL AKSTEIN BATISTA, Agencia Estado

18 de março de 2009 | 21h01

Enquanto isso, Toninho Cecílio, o gerente de futebol do Palmeiras, revelou que o clube já está perto do planejamento ideal para a viagem para o Recife. O cartola, porém, não abre o jogo para o rival. "Temos duas ou três opções, e só vamos fechar mais para frente", explicou ele. "Devemos tomar a decisão uma ou duas semanas antes do jogo", acrescentou Genaro Marino, o diretor de futebol do clube.

Uma concentração prolongada em Atibaia não está descartada. Caso o Palmeiras consiga confirmar a liderança do Paulistão antes do término da primeira fase - o último jogo é no dia 5 de abril, contra o Botafogo, em casa -, os titulares devem passar alguns dias trabalhando na cidade do interior paulista. "Pode acontecer", confirmou o preparador físico Antônio Mello.

Chegar com antecedência ao Nordeste é outra opção, mas deve ser descartada. A diretoria negou que o Palmeiras vá ficar em Porto de Galinhas, no litoral pernambucano, antes da partida. E também desmentiu o boato de que os jogadores chegariam à Ilha do Retiro já uniformizados para o jogo, por medo de algum boicote no vestiário do estádio.

"Vamos nos trocar no vestiário", garantiu Toninho Cecílio. Já sobre a possibilidade de o balneário em Porto de Galinhas ser uma das opções de concentração palmeirense antes do jogo com o Sport, o cartola fugiu do assunto. "Não vou desmentir nem confirmar", limitou-se a dizer o gerente.

Antes disso, porém, o Palmeiras ainda tem compromissos pelo Paulistão - a começar pelo próximo sábado, quando visita o Guaratinguetá. Mas os jogadores admitem que está difícil esquecer do decisivo duelo com o Sport pela Libertadores. "É importante jogar logo para acabar com essa ansiedade", disse o meia Diego Souza, reconhecendo que o jogo em Recife virou pensamento fixo palmeirense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.