Daniel Vorley|AGIF
Daniel Vorley|AGIF

Palmeiras trata bola com carinho e bate sem dó no Capivariano

Após aperto no meio de semana, Alviverde faz 4 a 1 com facilidade

Glauco de Pierri, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2016 | 18h34

O segundo tempo da partida contra o Rosario Central, pela Libertadores, serviu de alerta para o Palmeiras. Após ser sufocado por 45 minutos, mais os acréscimos, e ver o goleiro Fernando Prass sair de campo como herói, o time alviverde resolveu manter a posse de bola neste domingo, contra o Capivariano, pelo Paulistão. Com ela nos pés, sofreu menos, goleou por 4 a 1 e, por ora, passou confiança ao torcedor para o confronto desta semana pelo torneio sul-americano, quarta-feira, contra o Nacional do Uruguai.

O Palmeiras começou o jogo trocando passes, sem pressa e sem rifar a bola. O resultado veio logo – aos sete minutos, o lateral Lucas avançou pela direita e deu nos pés de Cristaldo. O atacante argentino, em boa fase, estava cercado pelo zagueiro, mas fez bem a ‘parede’ e apenas rolou a bola para trás, para seu compatriota Allione bater firme, no canto direito do goleiro Pedro Henrique.

O time de Marcelo Oliveira ainda teve boa chance de ampliar o placar aos 21 minutos, quando Egídio bateu escanteio e Thiago Santos cabeceou no travessão. Aos 28, foi a vez de Dudu arriscar chute forte, para boa defesa do arqueiro do Capivariano. O Palmeiras dominava e era melhor. Mas o time do interior, que até então só havia levado perigo em uma cobrança de falta de Chico, que Fernando Prass espalmou, fez só um pouquinho do que o Rosario Central apresentou no Allianz, suficiente para assustar a equipe.

O time subiu um pouco a marcação e aproveitou novo apagão de todo o sistema defensivo do Palmeiras, preocupando seu torecdor. Aos 29, o Capivariano desceu pela esquerda com Bruno Maia, que mandou na área para Rodolfo, sozinho, desviar para empatar a partida: 1 a 1. 

O Capivariano, no entanto, não tem a mesma qualidade do Rosario. Aos 40, depois de o Palmeiras ainda dar mais um susto na torcida com sua dupla de zaga batendo cabeça, o Alviverde chegou ao segundo gol. Egídio levantou na área, Thiago Santos desviou e Thiago Martins, meio sem querer, empurrou para o gol do visitante.

Na segunda etapa, o Palmeiras liquidou o jogo com rapidez. Aos dois minutos, Allione e Dudu avançaram e o atacante cruzou na área. A bola desviou na mão de Manguinho e a arbitragem assinalou pênalti. Cristaldo pegou a bola e bateu forte, no meio do gol, para fazer o terceiro dos dono da casa.

Depois, o Palmeiras manteve a posse de bola para não correr mais riscos. Aprendeu. De toque em toque, o time cavou a expulsão de Bonfim. E no fim, aos 42 minutos, a torcida foi recompensada com o quarto gol. Dudu, mais uma vez, partiu com a bola e inverteu o jogo para Allione. O argentino chutou forte da entrada da área, o goleiro Pedro Henrique espalmou e Alecsandro, de bico, empurrou para o gol aberto: 4 a 1.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 4 x 1 CAPIVARIANO

PALMEIRAS (4-3-3): Fernando Prass; Lucas (Arouca), Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Thiago Santos, Jean, Allione; Dudu, Rafael Marques (Erik) e Cristaldo (Alecsandro). Técnico: Marcelo Oliveira.

CAPIVARIANO (4-5-1): Pedro Henrique; Oliveira (Kleiton Domingues), Bonfim, Bruno Maia e Alex Barros; Maguinho, Samuel Souza, Wigor (Rodolfo), Jácio e Chico; Jeam (Everton Dias). Técnico: Roberto Fernandes.

Gols: Allione, aos 7, Rodolfo, aos 29, Thiago Martins, aos 40 minutos do 1º tempo; Cristaldo, aos 3, e Alecsandro, aos 42 minutos do 2º tempo.

Juiz: Vinicius Gonçalves Dias Araujo.

Cartão amarelo: Lucas, Bonfim, Maguinho.

Cartão vermelho: Bonfim

Público: 21.499 pagantes.

Renda: R$ 915.440,50.

Local: Allianz Parque, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.