Andres Stapff /Reuters
Andres Stapff /Reuters

Palmeiras trava no Nacional e está fora da Copa Libertadores

Time alviverde não consegue furar a defesa uruguaia, empata por 0 a 0 e deixa a competição nas quartas de final

André Rigue, estadao.com.br

17 de junho de 2009 | 21h16

Acabou a saga do Palmeiras na Copa Libertadores. Em jogo dramático, o clube alviverde empatou sem gols diante do Nacional, no Estádio Centenário. Com o resultado, os uruguaios garantiram a classificação às semifinais, uma vez que foram beneficiados por ter marcado um gol fora de casa, no empate por 1 a 1 no Palestra Itália, no confronto de ida.

 

Veja também:

 mais imagensMuros do Palestra Itália são pichados após eliminação

linkMarcos admite falta de regularidade

linkDiretoria palmeirense banca permanência de Luxemburgo

linkAbatido, Obina lamenta gol perdido

linkApós eliminação 'frustrante', Pierre já pensa em 2010

tabela Copa Libertadores - Classificação e Calendário 

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

O Nacional, agora, terá nas semifinais o ganhador do confronto entre Estudiantes e Defensor. No primeiro duelo, realizado no Uruguai, o time argentino venceu por 1 a 0 e joga por um empate nesta quinta-feira para confirmar a classificação.

 

O técnico Vanderlei Luxemburgo decidiu colocar em campo o mesmo time que venceu o Cruzeiro por 3 a 1 pelo Brasileirão, no esquema 3-5-2. Willians permaneceu como companheiro de Keirrison no ataque e Marcão foi escalado como terceiro zagueiro. A meta era marcar forte e aproveitar as falhas do Nacional.

 

O jogo começou com muita disposição por parte dos palmeirenses, focados na marcação. Aos 9 minutos, uma grande chance foi perdida. Cleiton Xavier cobrou escanteio. O goleiro Muñoz deu um tapa para trás e a bola bateu no travessão. Keirrison tentou pegar o rebote, mas a zaga do Nacional deu um bico e afastou o perigo.

 

Apesar da determinação e da necessidade de marcar gol, o Palmeiras não conseguiu implementar um grande ritmo ofensivo. Outro lance de perigo apenas aos 30 minutos. Diego Souza recebeu a bola dentro da área e chutou rasteiro. Keirrison apareceu no caminho e desviou. A bola subiu e passou muito perto do gol.

 

O Nacional chegou apenas nos cruzamentos e na bola parada. Aos 32 minutos, o lateral Domínguez cobrou falta e Marcos deu o rebote. Após disputa na grande área, o zagueiro Maurício Ramos tocou a bola com a mão. Pênalti que o árbitro equatoriano Carlos Vera, com a visão parcialmente encoberta, não marcou.

 

O árbitro, aliás, também foi motivo de reclamação por parte dos palmeirenses. Aos 43 minutos, o colombiano Armero entrou na área e fez o cruzamento. O zagueiro Coates cortou o lance ao colocar a mão na bola, mas Carlos Vera deu a lei da "compensação" e não marcou a penalidade. Os atletas foram para os vestiários furiosos.

 

 Nacional (URU) 0
Muñoz; Victorino, Coates e Romero; Rodriguez, Óscar Morales, Arismendi e Lodeiro (Pereyra) e Federico Domínguez; Medina     (Morales) e Biscayzacú (Garcia)
Técnico: Gerardo Pelusso
 Palmeiras 0
Marcos; Maurício Ramos, Danilo e Marcão (Obina); Wendel (Souza), Pierre, Cleiton Xavier, Diego Souza     e Armero; Willians (Ortigoza) e Keirrison
Técnico: Vanderlei Luxemburgo
Árbitro: Carlos Vera (EQU)

Estádio: Centenário, em Montevidéu (Uruguai)

O panorama no segundo tempo foi o mesmo da etapa inicial. O Palmeiras adiantou um pouco mais a marcação na expectativa de ter maior volume de jogo. Não funcionou. Luxemburgo, então, teve de mudar. Ortigoza, Obina e Souza entraram nas vagas de Willians, Marcão e Wendel, respectivamente.

 

O Palmeiras logo perdeu uma grande chance após as mudanças. Aos 25 minutos, Cleiton Xavier fez lindo passe para Obina. Dentro da área, o atacante ganhou da marcação, girou o corpo e chutou rasteiro. A bola passou à direita de Muñoz e foi pela linha de fundo.

 

Obina, aliás, perdeu a chance de ser a estrela do jogo e se tornou um vilão. Aos 39 minutos, Ortigoza levou pela esquerda e cruzou. Obina, totalmente livre dentro da pequena área, cabeceou e mandou próximo à trave esquerda, para fora. Marcos não acreditou no lance e desabou no gramado. O Palmeiras ainda tentou um último gás, mas foi eliminado.

 

Obina perdeu duas grandes chances no 2.º tempo e o Palmeiras acabou eliminado na Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.