Cesar Greco/AE - 17/2/2012
Cesar Greco/AE - 17/2/2012

Palmeiras, um time de vários 'artilheiros'

Nada menos que 11 jogadores marcaram os 17 gols da equipe no no Campeonato Paulista

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2012 | 03h04

SÃO PAULO - Acabaram as improvisações no Palmeiras. E, com um elenco recheado, agora sobram gols no time líder do Campeonato Paulista. Um dos principais problemas da equipe no ano passado, o ataque tem funcionado bem e está entre os melhores da competição, empatado com Ponte Preta, Santos e São Paulo, todos com 17. Sem um artilheiro de destaque, 11 jogadores já balançaram as redes.

Luiz Felipe Scolari passou 2011 inteiro pedindo reforços. Além dos "camarões", ele também queria jogadores para compor o elenco. Se no ano passado o treinador sofria quando um titular estava suspenso ou machucado, agora sobram opções para montar o time.

E os considerados reservas têm feito bonito quando ganham chance na equipe. Enquanto alguns clubes dependem de apenas um jogador para marcar gol, no Palmeiras a responsabilidade é de todos.

Como exemplo, é só observar o São Paulo: Willian José marcou 7 dos 17 gols do time. Já Hernane fez 7 dos 11 do Mogi Mirim. No Palmeiras é diferente. Titular ou reserva, todos se revezam ao colocar a bola na rede.

Dos 11 palmeirenses que já fizeram gol, cinco são hoje do chamado time principal: Marcos Assunção (3), Barcos (2), Daniel Carvalho, Maikon Leite e Patrik. Os outros "heróis" são Artur (3), Fernandão (2), Leandro Amaro, João Vítor, Ricardo Bueno e Juninho. Detalhe: alguns deles às vezes nem são relacionados por Felipão.

ELOGIOS PARA BARCOS

Com Luan machucado, Maikon Leite ganhou a vaga na equipe e dificilmente perderá lugar dentre os 11. Assim como Barcos, que só fez dois jogos como titular e anotou dois gols: um de cabeça e outro de pênalti.

“Aos poucos ele está entendendo nosso esquema de jogo e já mostrou um bom entendimento com o sistema ofensivo. A tendência é só melhorar”, elogiou Felipão, que vinha sofrendo para achar um “camisa 9”.

Fernandão e Ricardo Bueno tiveram chance, mas decepcionaram - Fernandão foi um pouquinho melhor de que o ex-jogador do Atlético-MG, mas mesmo assim não fez o suficiente para convencer o treinador de que merecia ser o dono da posição.

Se o ataque tem sido motivo de orgulho para a torcida, a defesa precisa melhorar. Ao menos é isso o que o comandante acha, apesar de os números não serem tão ruins: oito gols tomados em oito rodadas - apenas três times (Corinthians, Guarani e Portuguesa) foram menos vazados. “Temos de corrigir alguns erros de posicionamento na defesa. Estamos tomando muitos gols”, disse Felipão. Ano passado o rendimento do setor defensivo foi melhor.

INVENCIBILIDADE

Com 20 pontos em oito jogos, o Palmeiras divide a ponta com o Corinthians. E leva vantagem justamente no saldo de gols (9 a 7). Os dois rivais são os únicos times invictos no Paulistão.

A invencibilidade palmeirense vem desde o ano passado. A última derrota do time foi em 6 de novembro: 2 a 0 para o Coritiba pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Contando o amistoso com o Ajax no início do ano (vitória por 1 a 0 no Pacaembu), o Palmeiras já está há 14 jogos sem perder.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasfutebolCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.