André Lessa/AE
André Lessa/AE

Palmeiras usa permanência de Marcos como exemplo para manter astros

Segurar os jogadores para disputar Série B e Libertadores é prioridade da diretoria alviverde

DANIEL BATISTA, Agência Estado

19 de novembro de 2012 | 12h01

SÃO PAULO - Rebaixado para a Série B, o Palmeiras vai passar por uma grande reformulação em todos os seus setores. Dentro de campo acontecerá a mudança mais radical e conflitante, já que a diretoria terá de montar um time pensando em Libertadores e Série B. Uma das prioridades é segurar os principais jogadores para conseguir ter uma base sólida na próxima temporada e, para isso, a direção palmeirense usa a história do ex-goleiro Marcos como exemplo.

A ideia é mostrar para Barcos, Wesley, Henrique e Marcos Assunção, os principais jogadores do elenco atual, que jogar a Série B não é um demérito. Como Marcos fez na outra queda palmeirense, há 10 anos. "Ninguém quer cair, ainda mais com o Palmeiras, que é uma marca muito forte. Não tenho o direito de falar pelo Marcos, mas ele foi um dos maiores ídolos do clube, passou por essa situação, não se desvalorizou e teve grandes conquistas", disse o técnico Gilson Kleina. Na época, o goleiro até recebeu propostas de clubes europeus, mas preferiu ficar.

Entre os astros do elenco palmeirense, a situação mais delicada é do atacante Barcos. Ele tem contrato até o fim de 2015, mas já manifestou a insatisfação em caso de rebaixamento, pelo medo de não ser mais visto pelo técnico da seleção argentina, Alejandro Sabella. Já Wesley e Henrique têm vínculos até o meio de 2017 e possuem mercado até mesmo dentro do Brasil.

Quem vive uma indefinição um pouco diferente é Marcos Assunção. Seu contrato vence no final deste ano e ele ainda não se decidiu se vai continuar a carreira. No dia a dia do clube, o volante disse algumas vezes que se o Palmeiras caísse, sua intenção era renovar para ajudar a colocar o time de volta na Série A. A conversa para renovação por mais uma temporada está em andamento, mas ainda não foi finalizada.

A diretoria do Palmeiras trabalha com a possibilidade de segurar o quarteto pelo menos até a disputa da Libertadores. Depois, voltaria a conversar com os atletas para definir se eles ficam no clube ou serão negociados.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.