Palmeiras vai amanhã para San Cristóbal

Até aqui, tudo vai bem. O Palmeiras espera muitos percalços na aventura pela Venezuela e, por isso, saiu de São Paulo no domingo à tarde, três dias antes do jogo desta quarta-feira. Na capital Caracas, o clube se isolou em um grande hotel e não foi incomodado. Ao contrário, passou despercebido. Numa metrópole mais preocupada com o beisebol e o ciclismo, foi até difícil achar um campo de futebol para treinar. Após seis horas de vôo e uma manhã de descanso, os jogadores fizeram um treino pela tarde, no campo de um clube privado da capital venezuelana. Os outros dois gramados possíveis acabaram descartados: um não foi cedido pela prefeitura e o outro não reunia boas condições. Amanhã à tarde, a delegação faz vôo de 90 minutos até o Estado de Táchira, na fronteira com a Colômbia, e encara outros 90 minutos de ônibus até San Cristóbal, local do jogo, distante 816 quilômetros da capital Caracas. "É uma viagem dura e temos que esperar de tudo", diz o lateral Fabiano. Passar anônimo por Caracas já foi um primeiro passo. O temor agora é a recepção no Estádio Pueblo Nuevo, de 22 mil lugares, onde o time fez um treino de reconhecimento ainda hoje. Além disso, o Palmeiras teme problemas com a torcida local, mais fanática que a média dos venezuelanos. Quando visitou San Cristóbal, no início de março, o Santo André não pôde dormir por causa dos rojões na porta do hotel e, quando saiu para treinar, teve quartos invadidos e objetos pessoais roubados. Cristian, com sono leve, não vê muita graça. "Os rojões complicam. Essa noite eu dormi bem, a outra eu não sei." CAFONA - O meia, por sinal, foi eleito o mais cafona do elenco palmeirense. Enquanto passavam o tempo entre as longas viagens, Lúcio, Bruno e André Cunha fizeram pequena votação e elegeram o gaúcho como o mais criativo na hora de se vestir. Mas Cristian não se importou. "O que é cafona para eles é tudo que está fora do padrão de jogador de futebol. Ainda bem que falam que estou mal. Se falassem que estava bem, aí ia me preocupar", respondeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.