Reprodução/ Twitter
Reprodução/ Twitter

Palmeiras vai até o Equador para tentar a contratação de Miguel Ángel Ramírez

Técnico espanhol do Independiente del Valle é o principal nome da diretoria para ocupar o lugar de Vanderlei Luxemburgo

Redação, Estadão Conteúdo

19 de outubro de 2020 | 13h12

O técnico Miguel Ángel Ramírez é o preferido da diretoria do Palmeiras para assumir o cargo que está vago desde a saída de Vanderlei Luxemburgo, semana passada. Para isso, o diretor de futebol Anderson Barros e o vice Paulo Buosi estão no Equador, onde vão negociar com o Independiente Del Valle, atual equipe do treinador, cujo contrato vai até dezembro de 2021.

Antes de embarcar para Quito, a diretoria palmeirense enviou para o clube equatoriano um documento oficializando o interesse em Ramírez. O protocolo segue orientação do próprio treinador. O encontro entre os dirigentes alviverdes e o técnico deve ocorrer nos próximos dias.

"Tenho contrato com o clube (Independiente Del Valle). Quem quiser meus serviços deve falar com a diretoria do clube, mas é muito complexo, muito complexo", disse Ramírez, sábado, antes do jogo pelo Campeonato Equatoriano, diante da LDU. Segundo informações da imprensa equatoriana, Ramírez não aprova as constantes trocas de treinadores feitas no Brasil e só aceitaria uma negociação para 2021, caso o planejamento fosse para um trabalho de longo prazo.

Aos 35 anos, Ramírez chegou a ser cogitado para herdar a vaga de Jorge Jesus no Flamengo, mas sua posição no Independiente Del Valle é privilegiada. Seu salário é em dólar e o clube vive situação financeira controlada. Ele é dirigido pelo empresário Michel Deller.

Pelo Independiente Del Vale, Ramírez ganhou a Copa Sul-Americana no ano passado, além de boas participações pela Copa Libertadores. O time está no Grupo A da Libertadores. O mesmo do Flamengo. Ocupa a segunda colocação, com nove pontos. Precisa de um empate na última rodada, diante do lanterna Barcelona, para se classificar. Esse jogo está marcado para quarta-feira. Até lá, é pouco provável que ele responda ao Palmeiras.

As bases salariais ainda não foram tratadas. É possível que o Independiente não abra mão da multa rescisória de US$ 1 milhão, algo em torno de R$ 5,4 milhões. Nesse caso, o clube brasileiro teria de arcar com esse valor também.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.