Palmeiras vai atrás de paz em Jarinu

O Palmeiras viveu hoje mais um dia tenso. O ambiente carregado tomou conta não só dos jogadores como da diretoria. Para amenizar a pressão dos torcedores, o grupo viajou para a cidade de Jarinu, a 70 km da capital paulista, onde ficará concentrado até sexta-feira, preparando-se para a partida contra o Rio Branco, em Americana, pelo Campeonato Paulista. O jogo foi antecipado de domingo para sábado, às 16 horas. O problema, no entanto, surgiu com a decisão do treinador de restringir o trabalho da imprensa, permitindo o acesso dos jornalistas apenas aos treinamentos das tardes de quarta e quinta-feiras. A comissão técnica tomou a decisão sem avisar o diretor de Futebol, Américo Faria. "Não houve nenhuma orientação da diretoria neste sentido. Os jornalistas poderão ir aos treinos diariamente", disse Faria. Com as derrotas para o Botafogo, por 3 a 1, na quinta-feira, e para o Corinthians por 2 a 1, no domingo, a situação do técnico no comando da equipe ficou delicada, mas o presidente do clube, Mustafá Contursi garante sua permanência no cargo, independentemente dos resultados. A decisão de tirar o grupo da cidade de São Paulo, no entanto, descontentou grande parte dos atletas. "Tudo que iremos trabalhar fora, poderíamos fazer aqui no Centro de Treinamento. Não tem por que sair", queixava-se o meia Alex. O jogador dizia não concordar em ter de ficar quase uma semana afastado da família. Marco Aurélio observou que a decisão de levar o time para fora da capital não era uma forma de fugir das críticas dos torcedores. "Lá (em Jarinu), vamos conversar mais e ficar mais unidos", declarou. Não é a primeira vez que os atletas mostram contrariedade em relação a decisões de Marco Aurélio. Quando soube que não iria atuar contra o Flamengo, há duas semanas, o zagueiro Galeano foi tomar satisfações com o treinador. Depois, foi a vez de Magrão não concordar com as substituições do técnico, que o tirava da maioria das partidas. O técnico, por sua vez, ressaltou que não é de seu feitio impor sua autoridade por meio de "murros na mesa". "Prefiro resolver na base da conversa", afirmou. O atacante colombiano Muñoz foi contratado por empréstimo de seis meses. A apresentação do jogador, cujo passe pertence ao Nacional de Medellín, está prevista para quarta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.