Palmeiras vai bem, mas Picerni reclama

O Palmeiras está bem colocado no Campeonato Paulista e tem goleado adversários com freqüência, mas isso não é suficiente para contentar o técnico Jair Picerni. Nesta terça-feira, ele reclamou do desempenho da sua equipe na vitória sobre o Oeste por 2 a 1. Para o treinador, a dificuldade em conquistar a vitória veio, em grande parte, das falhas do grupo, erros que não devem se repetir sábado contra o Santo André, o próximo adversário no Estadual."Contra o Oeste, faltou velocidade e pegada", avalia Picerni. Ao mesmo tempo, o técnico admite que o "novo" time - com o zagueiro Nen na defesa, o volante Correia e o meia Pedrinho no meio-de-campo, mais o atacante Adriano Chuva na frente - ainda não acertou totalmente o entrosamento. "O Pedrinho, por exemplo, tem mostrado um nível razoável, mas ainda tem muito a crescer", observa Picerni.Pedrinho, por sua vez, sabe que os gols que vem marcando ajudam na sua manutenção no time titular, mas não são suficientes para garantir que continuará na equipe, agora que Elson retorna aos treinos após recuperar-se de contusão. "Acho que gols não são tudo. Já marquei em partidas nas quais não joguei bem", comenta o meia. "Mas acho que o importante no meu caso é que pude atuar em seis partidas seguidas, o que não fazia há mais de um ano." Pedrinho acredita que a volta de Elson, mais do que problema, pode trazer benefícios. "Não ter uma sombra é ruim para todo jogador titular", diz o meia, que garante estar estimulado com a concorrência.Nesta terça, a ausência no treino foi Vágner Love, contundido no tornozelo, e Muñoz, poupado com dores musculares. Mas, a princípio, os problemas de ambos não deverão tirá-los do confronto contra o Santo André, no sábado.

Agencia Estado,

02 de março de 2004 | 19h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.