Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras vai reverter mensalidades em créditos para sócios-torcedores

Durante período de paralisação do calendário, gastos com o programa poderão ser transformados no futuro em possíveis ingressos

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 09h02

O Palmeiras avisou na noite desta quarta-feira que vai alterar o formato da cobrança das mensalidades do sócio do clube e dos participantes do programa de sócio-torcedor Avanti. A medida valerá somente durante o período de paralisação do calendário do futebol pela pandemia do novo coronavírus, que afeta também a sede social, e vai consistir em reverter o valor pago nos vencimentos em créditos para a compra de ingressos.

O período do benefício será do mês de abril até a data em que os campeonatos forem retomados. O valor integral pago nos planos de sócio-torcedor será transformado em créditos para a compra futura de ingressos dos jogos do time como mandantes. Os valores acumulados serão válidos até 31 de dezembro de 2021.

A mesma decisão será aplicada para o funcionamento do clube social. A sede está fechada desde o último sábado. Os valores pagos a título de contribuição social poderão ser revertidos em créditos para a compra de atividades ou de refeições em dois restaurantes do local. A data para utilização dos benefícios será também até o fim do próximo ano.

"O novo cenário do futebol brasileiro, sem previsão de retomada das competições, cria um momento em que será fundamental a participação de nossos sócios-torcedores para a superação deste período de grandes dificuldades, de maneira a não comprometer o nosso protagonismo esportivo", diz trecho do comunicado enviado pelo clube.

O elenco profissional do Palmeiras foi dispensado dos treinos na última segunda-feira e não tem previsão de retorno. Os jogadores estão em casa, onde cumprem uma agenda de atividades e seguem orientações do departamento médico e da nutricionista do clube para manterem a forma física.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.