Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeiras vê ruir meta de pontos e repensa planos no Brasileiro

Time havia traçado plano para encostar no Corinthians, mas derrota para o Santos obriga a traçar outra perspectiva

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

02 Outubro 2017 | 07h00

A derrota para o Santos por 1 a 0 fez ruir o planejamento detalhado feito pelo técnico Cuca para o Palmeiras. Ter vencido o clássico de sábado no Allianz Parque integrava o terceiro passo da sequência de seis vitórias pretendidas pelo clube para encostar no líder, Corinthians, neste Campeonato Brasileiro. Agora, no entanto, a equipe deve mudar o foco.

+ Cuca afirma que derrota no clássico foi injusta

A rodada terminou com o Corinthians mais distante. A diferença de 11 pontos passou para 12, a exatamente 12 jogos para o fim. "Claro que você fica muito triste. Fazer o quê? Temos que trabalhar para continuar a evolução", afirmou Cuca. O resultado negativo brecou uma sequência de quatro jogos sem perder do Palmeiras, construída diante de São Paulo, Atlético-MG, Coritiba e Fluminense.

A equipe havia focado em construir a partir do jogo com o Coritiba uma sequência de seis vitórias na série que antecede o clássico com o Corinthians, dia 5 de novembro, a arena rival. Cuca via esses jogos como fundamentais para o Palmeiras se consolidar e considerava que o rival poderia tropeçar e perder pontos nessa mesma sequência.

"A meta muda. Se você tem seis jogos como meta e tínhamos esta condição, o jogo provou que dava para vencer. Não pode se abater, tem que saber perder. Tem de trabalhar para ganhar as seguintes. Em termos de título fica difícil, mas tudo é possível no futebol", afirmou Cuca depois da derrota no sábado.

O foco deve ser agora pelo G-4, com o intuito de se manter nessa faixa da tabela para garantir vaga direta à fase de grupos da Copa Libertadores. O Palmeiras retoma os treinamentos na tarde de terça-feira e tem como próximo compromisso o Bahia, no Pacaembu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.