Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

Palmeiras vence Al Ahly em Abu Dabi e vai à final do Mundial com futebol convincente

Raphael Veiga e Dudu comandam vitória por 2 a 0 sobre os egípcios nos Emirados Árabes; decisão será sábado

Ricardo Magatti, enviado especial a Abu Dabi, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2022 | 15h30

O Palmeiras provou estar, de fato, mais preparado em relação à edição anterior do Mundial de Clubes e avançou à final do torneio da Fifa com uma atuação convincente. No pequeno, mas confortável Al Nahyan Stadium, em Abu Dabi, time de Abel Ferreira fez 2 a 0 no egípcio Al Ahly graças ao talento e poder de decisão de Raphael Veiga e Dudu nesta terça-feira e jogará a decisão da competição contra Al Hilal ou Chelsea, que se enfrentam nesta quarta-feira. O duelo que definirá o campeão será sábado, às 13h30 (de Brasília).

Foi um dia de ineditismos na capital dos Emirados Árabes Unidos. O Palmeiras marcou seu primeiro gol em um Mundial e conquistou seu primeiro triunfo na competição que se tornou obsessão para os alviverdes, isso sem considerar a Copa Rio de 1951, vencida. Em 1999, o time perdeu para o Manchester United na versão antiga do torneio da Fifa, chamada de Copa Intercontinental. Os palmeirenses foram maioria no estádio e cantaram em uníssono a fim de levar o time ao tão desejado título mundial e encerrar os gracejos dos rivais.

O Palmeiras dominou o adversário africano com inteligência, paciência e um bom futebol. É bem verdade que demorou a encontrar os espaços porque o Al Ahly teve competência em sua tarefa defensiva em parte do confronto. Mas o clube brasileiro, forte mentalmente, não se desesperou e encontrou naturalmente o caminho das redes com Veiga, no primeiro tempo, e Dudu, na etapa final

No primeiro tempo, o time egípcio se fechou na defesa, bem como havia feito diante do Monterrey, e, disciplinado taticamente, dificultou a vida do rival brasileiro. Mais bem preparado, descansado, mais maduro e acostumado com decisões, o Palmeiras dominou o jogo. Não encontrou facilidade para furar as linhas do rival, mas insistiu, manteve-se calmo e concentrado e teve êxito em sua paciente jornada até o caminho do gol, marcado com a participação de seus dois craques, Dudu e Raphael Veiga.

A retranca do adversário foi furada com concentração, qualidade na saída de bola, talento e uma conclusão precisa. Zé Rafael roubou a bola na ponta esquerda e tocou para Danilo, que serviu Dudu. O camisa 7 deixou Veiga na cara do gol e o meio-campista canhoto bateu com o pé direito para vencer o goleiro Lotfy aos 39 minutos. Eufóricos, os palmeirenses cantaram alto até o intervalo. O Al Ahly apostou em lançamentos longos e em contra-ataques, malsucedidos, porém.

Se teve de usar a paciência para superar o ferrolho do rival do Egito no primeiro tempo, no segundo foi mais fácil para o Palmeiras conseguir tal feito e ampliar o placar. No lance do gol, os papéis se inverteram. Veiga foi o garçom e Dudu balançou as redes. A fim de jogo, o camisa 7 aproveitou uma avenida pela direita, invadiu a área e concluiu no ângulo. Um golaço no Al Nahyan Stadium comemorado com efusão pelos torcedores alviverdes.

O Al Ahly, de acuado, se viu obrigado a atacar. E melhorou no jogo. Passou a ocupar o campo ofensivo e finalizou dez vezes em poucos minutos - na primeira etapa foram apenas dois chutes. O time egípcio até balançou as redes com Sherif após uma rara e grava falha de Weverton. Mas o atacante estava impedido no momento do arremate. Gol rapidamente revisado pelo VAR e anulado.

O ímpeto dos egípcios diminuiu à medida que o Palmeiras retomou o controle da partida. Abel tirou os craques do confronto, Dudu e Veiga, ambos muito aplaudidos, para lançar mão de Wesley e Jailson. A equipe ajustou sua marcação e segurou o rival africano, que viu sua difícil missão de virar o duelo tornar-se impossível depois da expulsão de Ashraf. O defensor deu um carrinho violento em Rony e inicialmente recebeu apenas amarelo. O juiz francês Clément Turpin foi ao monitor do VAR e reviu sua decisão ao apresentar o vermelho para o atleta.

O cenário passou a ser ainda mais favorável ao Palmeiras, que usou as substituições para ganhar tempo e esfriar o jogo. No fim, entraram também Atuesta, Deyverson e Breno Lopes. O time alviverde está na final do torneio e jogará no sábado uma das partidas mais importantes de sua história.  

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 X 0 AL AHLY

PALMEIRAS -  Weverton; Gustavo Gómez, Luan e Piquerez; Marcos Rocha, Danilo, Zé Rafael (Atuesta) e Gustavo Scarpa (Breno Lopes); Raphael Veiga (Jaílson), Dudu (Wesley) e Rony (Deyverson). Técnico: Abel Ferreira

AL AHLY - Aly Lotfy; Rabia (Fathy), Ibrahim e Ashraf; Hany, Aliou, Elsoulia (Abdelkader) e Ali; Elshahat (Sherif), Afsha e Mohamed (Soliman). Técnico: Pitso Mosimane.

GOLS - Raphael Veiga, aos 39 minutos do primeiro tempo. Dudu, aos 4,

ÁRBITRO - Clément Turpin (França)

CARTÃO VERMELHO - Ashraf

PÚBLICO E RENDA - Não divulgados

LOCAL - Al Nahyan Stadium, em Abu Dabi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.