Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeiras bate São Paulo e mantém freguesia do rival no Allianz Parque

Com facilidade, equipe alviverde ganha por 3 a 0 e continua na difícil caça ao líder Flamengo

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 21h36

O Palmeiras ganhou do São Paulo por 3 a 0 na noite desta quarta-feira e manteve a freguesia do rival no Allianz Parque. Em nove clássicos disputados no reformado estádio, são oito vitórias da equipe alviverde e um empate. Com o resultado, o Palmeiras segue a difícil caça ao líder Flamengo. O São Paulo, por sua vez, permanecerá na quarta colocação independentemente das outras partidas desta 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Além de manter o tabu em sua casa, o Palmeiras igualou a maior sequência invicta sobre o São Paulo no geral. São nove jogos sem perder, assim como aconteceu entre 1975 e 1977. Em relação ao retrospecto total, os clubes divergem por causa de diferentes critérios. Nas contas do São Paulo, agora quem tem mais vitórias é o Palmeiras, com 109, contra 108 triunfos do time tricolor, além de 102 empates. Nas contas do Palmeiras, são 108 vitórias do São Paulo, 106 triunfos alviverdes e 102 empates.

No clássico desta quarta-feira, o Palmeiras massacrou. O placar poderia ter sido até maior, tamanha a facilidade de a equipe alviverde criar jogadas de perigo. O sistema defensivo do São Paulo teve uma noite péssima. No ataque, o time tricolor só assustou em chutes de fora da área de Vitor Bueno.

A vitória do Palmeiras começou a ser construída ainda aos 11 minutos. Dudu foi lançado pela direita, Arboleda se atrapalhou e a bola sobrou para Deyverson, que chutou. Tiago Volpi defendeu, mas Bruno Henrique chegou para completar no rebote de cabeça e abrir o placar.

O Palmeiras ampliou só aos 41 minutos, com Felipe Melo de cabeça após escanteio de Dudu. O intervalo entre os gols, no entanto, poderia ter sido muito menor. A equipe alviverde cansou de criar boas chances. Tiago Volpi e a trave salvaram e Deyverson chegou a marcar um golaço em lance que já estava parado pelo árbitro.

Para o segundo tempo, Fernando Diniz deslocou Daniel Alves para o meio de campo. A equipe até foi melhor nos primeiros minutos, mas o Palmeiras encaixou um contra-ataque perfeito aos 11. Depois de escanteio, Zé Rafael carregou e enfiou para Gustavo Scarpa sair na cara de Volpi e tocar com calma para o fundo da rede.

Após o terceiro gol, o ritmo do clássico diminuiu. O São Paulo permanecia com a bola, mas não encontrava espaço na zaga alviverde. O Palmeiras, fechado, estava satisfeito com o resultado e não mostrava mais tanta força nos contra-ataques. Mano Menezes fez as três substituições para poupar os jogadores que pareciam estar mais desgastados. Fernando Diniz ainda tentou mudar seus atletas ofensivos, mas a equipe continuou sem inspiração.

Os minutos finais do clássico foram arrastados, com exceção de dois contra-ataques do Palmeiras e uma bola na trave de Raniel. A torcida alviverde nem ligou para as chances perdidas no fim: cantou olé e celebrou mais uma vitória do vice-líder do Brasileirão. Para o São Paulo, o placar até que ficou barato pela quantidade de oportunidades criadas pelo rival no primeiro tempo.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 3 X 0 SÃO PAULO

PALMEIRAS - Weverton; Marcos Rocha (Jean), Gómez, Vitor Hugo e Diogo Barbosa; Felipe Melo (Thiago Santos), Bruno Henrique e Gustavo Scarpa; Dudu, Zé Rafael (Willian) e Deyverson. Técnico: Mano Menezes.

SÃO PAULO - Tiago Volpi; Daniel Alves, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan (Igor Vinícius), Tchê Tchê, Igor Gomes, Vitor Bueno (Hernanes); Antony e Alexandre Pato (Raniel). Técnico: Fernando Diniz.

GOLS - Bruno Henrique, aos 11 minutos, e Felipe Melo, aos 41 minutos do primeiro tempo; Gustavo Scarpa, aos 11 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Raphael Claus (Fifa-SP).

PÚBLICO - 29.481 torcedores

RENDA - R$ 1.731.916,80

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.