Palmeiras vence o São Paulo por 4 a 2

Dessa vez quem levou de quatro foi o São Paulo. Com uma vitória em grande estilo, com um golaço de Alex, o Palmeiras venceu por 4 a 2 e voltou à liderança isolada do Torneio Rio-São Paulo, agora com 26 pontos. Para completar, ainda quebrou a seqüência de seis goleadas dos são-paulinos na competição. O próximo jogo dos palmeirenses é no sábado, em Jundiaí, diante do Etti. Já a equipe do Morumbi enfrenta o São Caetano, domingo, no ABC. Dentro do campo, o São Paulo demonstrou que as insinuações de que parte de sua boa fase se devia à seqüência de adversários mais fracos fazia sentido. Com um esquema de jogo simples, baseado na forte marcação, o técnico do Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo, conseguiu, logo nos primeiros minutos, anular os jogadores de criação do time de Nelsinho Baptista. Kaká e Souza sofreram marcação individual e, assim, não conseguiram fazer a bola chegar aos pés de França e Reinaldo. Dominado o jogo, o Palmeiras se soltou. Contou também com a incredulidade dos são-paulinos que, acostumados a ?dar as cartas?, não souberam como reagir diante de uma equipe superior taticamente. "Eles (palmeirenses) entraram mais ligados. Fizeram um paredão lá atrás e dificultou para a gente", afirmou o atacante França. E como se não bastasse a forte marcação, o Palmeiras surpreendeu também no ataque. Enquanto o São Paulo se preocupava com os cruzamentos de Arce - a jogada do adversário chegou a ser treinada por Nelsinho -, a equipe do Parque Antártica optou pelo toque de bola. Foi assim que, logo aos 10 minutos, Magrão abriu o placar com um toque na saída de Rogério Ceni após tabela com Alex. O São Paulo sentiu o golpe e se retraiu. Oito minutos depois, Itamar cruzou da direita, a defesa são-paulina falhou e Claudecir dominou, sozinho, no meio da área, e chutou no canto esquerdo alto para fazer o segundo. Porém, o principal ainda estava por vir. Aos 27, Alex deu um presente a todos que estavam no estádio. Depois de ser lançado em velocidade, na frente da área, com um toque ele driblou a marcação, deu um lençol em Rogério e tocou. Um gol que, certamente, vai estar entre os mais belos da competição. Foi necessário um lance polêmico para que o São Paulo voltasse a respirar. Aos 29, Gabriel cruzou e a bola tocou na mão do lateral Daniel. O juiz marcou pênalti, convertido por França. Três minutos depois, Reinaldo marcou após cruzamento de Gabriel. No entanto, o árbitro anotou saída de bola pela linha de fundo. O lance foi anulado. Sem nada a perder, o São Paulo foi para cima no segundo tempo. Souza, apagado, deixou o campo. Em seu lugar entrou Lúcio Flávio, que deu mais velocidade ao ataque. No entanto, o time de Nelsinho não conseguiu reencontrar o conjunto e ficou dependente das jogadas individuais de Kaká. Foi assim que, aos 27, chegou ao segundo gol. O meia dominou e chutou da entrada da área, no canto direito de Marcos. Mas já nos descontos e com dois jogadores expulsos (Wilson e Émerson), o São Paulo sucumbiu. Alex foi derrubado na área e Arce cobrou a penalidade para fazer o quarto gol.

Agencia Estado,

20 Março 2002 | 22h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.