Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

Palmeiras leva a melhor na bola parada, bate o Red Bull Bragantino e volta a vencer no Brasileirão

Danilo e Raphael Veiga marcam e garantem vitória por 2 a 0 sobre o time do interior paulista

Rodrigo Sampaio, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2022 | 18h38

No duelo dos técnicos mais longevos do futebol brasileiro, Abel Ferreira levou a melhor sobre Mauricio Barbieri, e o Palmeiras venceu o Red Bull Bragantino por 2 a 0, neste sábado, no Allianz Parque, pelo Campeonato Brasileiro. A equipe alviverde mostrou eficiência na bola parada para furar a boa defesa adversária. Os gols da partida foram marcados por Danilo, que vive semana iluminada após a convocação para a seleção brasileira, e Raphael Veiga, de pênalti.   

Voltando a vencer após duas rodadas, o time de Abel Ferreira chegou à sua segunda vitória no Brasileirão, a primeira no Allianz Parque, e igualou os mesmos nove pontos do Red Bull Bragantino. A equipe alviverde soma agora cinco jogos de invencibilidade na competição. Por sua vez, os comandados de Maurício Barbieri correm o risco de deixar o G-6 com a derrota. 

A parte física era um fator à parte no confronto. Enquanto Abel levou a campo o que tinha de melhor — a exceção foi Marcos Rocha, liberado de última hora para ver o nascimento do filho —, mesmo tendo usado os titulares na quinta-feira, na classificação sobre a Juazeirense pela Copa do Brasil, o Bragantino subiu ao gramado com um time misto, visando o duelo com o Estudiantes na terça, pela Libertadores. Mostrando disposição, a equipe alviverde começou elétrica e logo aos 3 minutos o VAR foi acionado para checar um possível gol de Dudu, no rebote de Scarpa, mas o atacante estava em posição irregular. 

Com a marcação muito bem encaixada, o Bragantino deu trabalho para o Palmeiras encontrar espaço na articulação de jogadas, desarmado com facilidade. Por outro lado, o time de Barbieri não levou perigo à meta de Weverton, sem ao menos conseguir uma boa finalização. A solução para os donos da casa veio na bola parada, com Rony cabeceando a bola para as redes após jogada ensaiada de escanteio, aos 19. A euforia da torcida palestrina logo foi interrompida com nova marcação de impedimento, com mais uma vez o VAR entrando em ação. 

A saída veloz nos contra-ataques se mostrou uma opção viável para o Palmeiras se desvencilhar da forte marcação adversária. Foi em uma dessas “espetadas” que Rony sofreu falta na direita, e novamente o time de Abel mostrou eficiência na bola parada. Gustavo Scarpa cruzou de maneira venenosa para o meio da área e Danilo, mais novo jogador da seleção brasileira, cabeceou sem chance para Cleiton, abrindo o placar aos 30. Sem conseguir responder à altura, o Bragantino só conseguiu levar perigo nos acréscimos, com uma finalização de Sorriso que saiu à direita de Weverton. Antes do intervalo, Dudu ainda bateu forte, cruzado, para boa defesa do goleiro adversário. 

Incomodado com a atuação do Bragantino na etapa inicial, Barbieri mandou a equipe subir a marcação no segundo tempo para pressionar a saída de bola do Palmeiras. Porém, mesmo com as entradas de Ytalo e Artur, o time de Bragança seguiu sem levar perigo, carecendo de finalizações ao gol de Weverton. Com a vantagem no placar, o Palmeiras optou pela estratégia dos contra-ataques enquanto com o adversário tomava as ações da partida. Estudado, o jogo seguiu com uma intensidade menor até os 20 minutos. A melhor chance do Palmeiras veio em um chute de Veiga, arrematado de muito longe e sem dificuldades para Cleiton. 

Sem sucesso nas trocas de passes no setor ofensivo, o Bragantino passou a usar e abusar do “chuveirinho”. Sólida, tanto Gustavo Gómez quanto Murilo foram soberanos na grande área, tirando todas as bolas cruzadas pelo ataque adversário. O Palmeiras voltou a levar perigo somente aos 34, quando Breno Lopes, que entrou na segunda etapa, roubou bola no ataque, invadiu pela esquerda e bateu travado para a defesa de Cleiton. 

O panorama seguiu igual na reta final do duelo. Buscando oxigenar a equipe, Abel Ferreira colocou em ação jovens como Rafael Navarro, Gustavo Garcia — Mayke saiu lesionado — e Vanderlan. O Palmeiras evitou passar sufoco, segurou a bola no campo adversário nos minutos finais e neutralizou as investidas do rival. Faltando apenas dois minutos para o apito final, Cleiton foi para a área adversária tentar o gol. A defesa tirou e teve grande chance de ampliar no contra-ataque. Voltando desesperado para a meta, o goleiro do Bragantino derrubou Breno Lopes na área e cometeu o pênalti. Na sua especialidade, Veiga bateu com força na direita e deu números finais ao jogo. 

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2x0 RED BULL BRAGANTINO

PALMEIRAS - Weverton; Mayke (Gustavo Garcia), Gustavo Gómez, Murilo e Jorge (Vanderlan); Danilo, Zé Rafael (Atuesta), Raphael Veiga e Gustavo Scarpa; Dudu (Breno Lopes) e Rony (Rafael Navarro). Técnico: Abel Ferreira.

RED BULL BRAGANTINO - Cleiton; Aderlan, Léo Realpe, Natan e Guilherme (Nathan Camargo); Raul e Eric Ramires (Luan Cândido) e Hyoran (Artur); Bruno Tubarão (Helinho), Jan Hurtado (Ytalo) e Sorriso. Técnico: Mauricio Barbieri.

Gols: Danilo, aos 30 minutos do primeiro tempo, e Raphael Veiga, aos 53 minutos do 2º tempo.

Cartões Amarelos: Gustavo Gómez, Natan, Mayke e Nathan Camargo.

Público: 36.123

Renda: R$ 2.267.245,54

Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP).

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.