Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Palmeiras viaja confiante para Minas e já se cobra por título

A caminho de Belo Horizonte, onde enfrenta o Cruzeiro, elenco acumula vitórias como visitante nos últimos jogos

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2018 | 05h00

A excursão do Palmeiras para a série de jogos como visitante vai chegar ao fim na próxima quarta-feira com o elenco mais confiante e até mais ousado em metas. As vitórias sobre o Colo-Colo, pela Copa Libertadores, e sobre o Sport por 1 a 0, neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, fizeram o técnico Luiz Felipe Scolari admitir que já se cobra por pelo menos um título.

A equipe está longe de São Paulo desde a semana passada, ao ter embarcado para o Chile, seguido diretamente para o Recife e depois viajar para Belo Horizonte, onde na quarta-feira decide vaga na final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro. Com aproveitamento na temporada superior como visitante, o Palmeiras se respalda nos resultados com Colo-Colo e Sport para confiar em reviravolta no Mineirão.

No jogo de ida com o Cruzeiro, no Allianz Parque, a equipe mineira ganhou por 1 a 0, gol de Barcos, e agora obriga o Palmeiras a conseguir vencer. "Temos condições de reverter lá em Minas. Esse é o espírito do nosso grupo", afirmou Felipão. A equipe precisará ganhar por dois gols de diferença ou devolver a vantagem de um gol e levar para os pênaltis.

Em entrevista coletiva na Ilha do Retiro, depois de bater o Sport por 1 a 0, Felipão mostrou confiança com o desempenho do time nas competições. A formação reserva tem ido bem no Brasileiro e chegou à vice-liderança. "Temos que ganhar uma competição, o Brasileiro, ou a Libertadores, ou a Copa do Brasil. Ganhar uma competição para depois trabalhar de uma forma que seja nosso pensamento", explicou.

Para o jogo no Mineirão, além de contar com a volta de titulares poupados contra o Sport, o técnico terá de lidar com alguns possíveis problemas. O meia Lucas Lima sofreu uma pancada no quadril na Ilha do Retiro, deixou o jogo mais cedo e é duvida. Já o venezuelano Guerra, que retornou a atuar depois de quatro meses, não deve ser utilizado.

"Fomos ousados colocando o Guerra, que está treinando há uma semana. Tínhamos de apostar. Mas não tem condição para um jogo como no Mineirão. Vamos mesclando, dando condições para o time", disse. A equipe volta aos treinos nesta segunda-feira à tarde, já em Belo Horizonte.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.