Werther Santana|Estadão
Werther Santana|Estadão

Palmeiras viaja sob pressão ao Uruguai após tropeços bobos

Início ruim ameaça técnico e obriga time a ganhar do River Plate

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2016 | 07h00

O Palmeiras embarcou neste domingo para Maldonado, onde estreia terça-feira na Libertadores diante do River Plate, do Uruguai, que se garantiu após passar pela etapa preliminar. O time de Marcelo Oliveira faz a primeira partida no torneio continental já pressionado pelos maus resultados no Paulista e por falhas seguidas de seus defensores.

Se no ano passado, em reconstrução, o Palmeiras largou bem e contou com a paciência de sua torcida, agora, com equipe montada, mas com resultados frustrantes, o torcedor promete pegar no pé do time. Dois empates (São Bento e Oeste) e uma derrota no Estadual, diante do Linense, sábado, já fazem o caldeirão verde ferver. O esquema de Oliveira é questionado, o torcedor já se divide em sua permanência ou demissão, apesar do respaldo do presidente Paulo Nobre. Os fracassos do time misto só fizeram aumentar a pressão sobre os titulares, que agora não podem errar - os reservas foram xingados e vaiados sábado.

Diante do rival que deve ser saco de pancadas do Grupo 2 na Libertadores, o Palmeiras, que antes se contentava com um empate, agora é obrigado a voltar para casa com os três pontos na mala.

“Temos de fazer de tudo para buscar a vitória. E temos condições para isso. Precisamos evitar os erros para largar bem na Libertadores”, disse o beque Vitor Hugo.

A pressão é sobre o técnico. Marcelo Oliveira não aceitou as “recomendações” de mudar o esquema, sugestão de alguns diretores. Garante estar feliz com o jeito de atuar, mas admite que o time não encaixou como queria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.