Palmeiras: Vitória para manter Bonamigo

Um Vasco em crise, no Palestra Itália, é o obstáculo do Palmeiras na busca por algum fôlego no Campeonato Brasileiro, pelo distanciamento da zona do rebaixamento e, acima de tudo, para talvez manter o técnico Paulo Bonamigo, querido e elogiado pelos jogadores, no comando do time. Nesta sexta-feira, véspera do confronto, embora oficialmente prestigiado pela diretoria, o treinador sucumbiu às especulações sobre a possível contratação de Emerson Leão e admitiu poder perder o emprego neste sábado. "Sei que a vitória diante do Vasco é importante... É decisiva para a continuidade do nosso trabalho. Estou perto do meu limite. Tenho consciência que os resultados precisam aparecer", afirmou Bonamigo, relutando em deixar escapar o otimismo. "Acho que está muito próximo de o Palmeiras vencer. No momento em que embalar, a situação muda."A partir das 16 horas, em seu estádio, o Palmeiras buscará a terceira vitória no torneio, que o tiraria da incômoda 16.ª posição. Os números são impiedosos com o atual técnico: em 11 partidas sob seu comando, a equipe teve somente três vitórias e dois empates. Na próxima semana, Bonamigo completa dois meses no clube, tempo que ficou seu antecessor, Candinho, demitido mesmo com resultados melhores (15 jogos, 5 vitórias e 5 empates)."Está no preço e estou preparado. Desde que cheguei sabia que o Palmeiras já vinha há quatro meses nesse clima de pressão. O fundamental é eu acreditar no projeto. Se eu sentisse, após dois meses aqui, que o grupo não acreditasse mais, seria o primeiro a desistir", disse Bonamigo. "Assumo toda a pressão para que os jogadores possam entram em campo tranqüilos. Passo sempre para eles não se preocuparem comigo. A gente sente, mas não pode perder a tranqüilidade. Eu sou o comandante, sou responsável direto pelos resultados da equipe."A culpa pelos maus resultados também é reivindicada pelos jogadores, que pediram à diretoria para que Bonamigo não seja demitido. "Esse jogo, na minha opinião, vai definir a permanência ou não do treinador. Mas nós jogadores temos feito uma coisa nos treinos e outra nos jogos. Não adianta trocar o treinador, os culpados somos nós", afirmou o goleiro Sérgio.Assim como Juninho e outros fizeram ao longo da semana, o reserva de Marcos, que está na seleção, criticou a falta de personalidade da equipe. "Somos um time grande, mas jogamos como pequeno. Não pode achar que vai ganhar só porque é um clube grande."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.