Palmeiras volta a descartar Romário

O Palmeiras deverá disputar o Campeonato Brasileiro com o mesmo elenco que participou da Copa dos Campeões. A informação foi passada hoje pelo diretor de Futebol do clube, Sebastião Lapola, que descartou também a vinda de Romário para o Parque Antártica. "Acabei de conversar com o presidente Mustafá Contursi. Ele me garantiu que não vai investir na contratação de nenhum atleta para o Campeonato Brasileiro. O Romário foi um pedido do Vanderlei Luxemburgo, mas não há dinheiro para trazê-lo neste momento", afirmou o dirigente. A informação surpreendeu porque no domingo, após a derrota do Palmeiras para o Paysandu por 3 a 1, o próprio Lapola havia garantido que Romário não estava fora dos planos. Chegou a afirmar que o atacante gostaria de jogar em São Paulo, e que para isso aceitaria até reduzir o seu salário. Luxemburgo passou rapidamente pelo saguão do hotel onde a delegação esteve concentrada em Belém e não quis dar entrevistas. Também não falou nada sobre Romário. Prometeu se pronunciar somente na quinta-feira pela manhã, quando os jogadores reapresentam-se na Academia. A equipe estréia no Campeonato Brasileiro no dia 11 de agosto contra o Grêmio no Parque Antártica. Durante a Copa dos Campeões, o treinador afirmou que não pretende deixar o clube antes do final do ano. A especulação em torno da vinda de Romário foi encarada com reserva pelos jogadores. O atacante Muñoz, por exemplo, sorriu quando perguntado se o novo reforço se enquadraria no atual esquema de Luxemburgo, em que os três atacantes têm obrigação de marcar a saída de bola do adversário. "Não posso falar sobre isso, pergunte ao treinador.Sei que vários jogadores gostariam de jogar ao lado do Romário, mas poucos têm oportunidade". O colombiano tem contrato com o Palmeiras até 2006 mas mostrou incerteza em relação ao seu futuro. "Eu só posso dizer que quero ficar aqui". A diretoria terá que definir nos próximos dias se renova ou não o contrato de Arce. O paraguaio prorrogou seu vínculo até o dia 10 de agosto, e a amigos mais próximos afirmou que por respeito à torcida do Palmeiras não defenderá nenhum clube grande de São Paulo. Atualmente, o jogador está ganhando aproximadamente R$ 100 mil, metade do que recebia antes de 30 de junho, quando terminou o seu vínculo com o clube. Dos cofres do Parque Antártica também saem outros R$ 6.500 apenas para o pagamento do aluguel e do condomínio do apartamento onde Arce reside, no bairro das Perdizes. "Vou conversar novamente com o presidente Mustafá para acertar minha situação. Sair de São Paulo neste momento não faz parte dos meus planos", comentou o jogador antes de deixar a capital paraense. Vitrine - Mesmo com a derrota para o Paysandu, a Copa dos Campeões acabou sendo uma vitrine para Nenê. Hoje, o atacante revelou que sempre que entra em campo procura esquecer que está defendendo um grande clube. "Isso faz com que diminua minha ansiedade. Esses 30 dias longe de São Paulo fizeram com que me tornasse conhecido, mas tenho que ressaltar que esse grupo é muito unido e entrosado". Na visão de Nenê, o Palmeiras não deve sofrer mudanças radicais para o Campeonato Brasileiro. "O time mostrou que é competitivo. Perdemos a classificação porque o Paysandu foi melhor". O lateral Diego, que jogou suas primeiras partidas oficiais pelo Palmeiras na Copa dos Campeões, afirmou que já esperava a pressão da torcida e da imprensa pelo fato de dois dos três gols do time paraense terem saído nas suas costas. "O Futebol é assim mesmo, passei a noite refletindo sobre esse assunto. Logo vão dizer que o Palmeiras necessita de um novo lateral-esquerdo para a disputa do Campeonato Brasileiro".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.