Palmeiras volta a ser respeitado

O Palmeiras, finalmente, voltou a ser temido e respeitado. Essa é a opinião do volante Corrêa, que chegou com o clube na segunda divisão, em 2003, e agora está prestes a completar 150 jogos com a camisa palmeirense. ?No ano passado, chegamos até a liderar o Brasileirão, mas ninguém falava nada porque ninguém botava fé na gente. Achavam que a gente era cavalo paraguaio, fogo de palha. Agora, não. Temos um treinador e um time que impõem respeito?, disparou o jogador, que completa: ?E nós nem chegamos à liderança, ainda...?O volante não tem dúvidas de que o Palmeiras pode ser campeão brasileiro. Para isso, ?é preciso vencer o Corinthians domingo?. Corrêa admite que ?se perder, vai ficar complicado tirar a diferença de pontos.? Com seis clássicos disputados contra o Corinthians no currículo, Corrêa sabe que uma derrota para o rival pode significar muito mais do que a simples perda de três pontos. ?A pressão é enorme. A repercussão do clássico é muito grande. Três ou quatro jogos antes a gente já ouve os torcedores gritando pra gente a data da partida, lembrando que é o jogo mais esperado?, disse. Não é à toa que ele aponta os 4 a 0 no Brasileirão do ano passado como seu clássico inesquecível. ?Lembro que fiz um cruzamento e o Rincón marcou contra. No final, por ser um placar inesperado e raro em um clássico, aquela vitória nos marcou bastante?, lembrou Corrêa, que, em contrapartida, aponta a derrota por 4 a 2 no segundo jogo da semifinal do Campeonato Paulista de 2003 como a mais doída. Quarto jogador do atual elenco com mais partidas pelo Palmeiras ? só perde de Marcos (313), Sérgio (304) e Leonardo (151) ?, Corrêa alerta: ?Clássico é atenção total do primeiro ao último minuto. No último, perdemos de virada por falta de atenção em alguns lances?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.