Palmeiras volta de ônibus para fugir de protesto no aeroporto

Mesmo com precaução, veículo com jogadores é atingido por pedra

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

28 de março de 2016 | 16h41

O Palmeiras enfrentou problemas para voltar de Presidente Prudente, no interior de São Paulo, onde no domingo foi goleado por 4 a 1 pelo Água Santa, pelo Campeonato Paulista. Com medo de represálias da torcida no aeroporto, por questões de segurança o time optou por voltar de ônibus. Perto do fim do percurso de cerca de sete horas, o veículo foi atingido por uma pedra.

Apesar do susto, nenhum jogador foi ferido pela pedra. Os atletas foram liberados para voltaram para suas casas e se reapresentaram na tarde desta segunda-feira. Antes do treino, o elenco se reuniu com o presidente do clube, Paulo Nobre, na Academia de Futebol.

Na chegada ao CT do clube, na Barra Funda, alguns atletas foram recepcionados por um grupo de torcedores, que aplaudiu ironicamente o time, que vem de quatro derrotas seguidas. A Polícia Militar estava ficou de prontidão na porta da Academia, mas não houve tumulto.

Na próxima quinta a equipe recebe o Rio Claro, no Pacaembu, pelo Campeonato Paulista e depois, no domingo, tem clássico com o Corinthians. Em quinto no Grupo B, com 15 pontos, o Palmeiras precisa ir bem nas últimas três rodadas da fase de classificação para não ficar fora das quartas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.