Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Palmeiras: Zaga quase "mata" Candinho

O presidente do Palmeiras, Afonso Della Monica, quando decidiu aceitar o convite da Pirelli para conhecer a Inter de Milão, tinha como idéia fixa trazer o zagueiro Gamarra por empréstimo.Della Monica sabe que o elenco palmeirense precisa de um defensor que imponha respeito aos adversário. Um exemplo disso foi o que aconteceu ontem com o jovem Glauber.Candinho foi obrigado a efetivá-lo como titular porque não existe outro zagueiro canhoto no elenco. Sem a menor preparação psicológica, ele entrou no time. O resultado foi sua decisiva atuação deste domingo.Foi dele a falha (perdeu a bola na saída da defesa) que resultou na falta de Nen em Tevez e no primeiro gol corintiano - Roger, de falta. Nervoso, deu espaço demais aos atacantes. Foi se irritando com o passar do tempo. Até que explodiu com a briga com Nery e sua expulsão.Glauber não admitia cobranças. Muito pelo contrário. Assim como fez Candinho, Magrão e o restante do time, o zagueiro jurou ter feito uma boa partida e disse que não teve influência no resultado."Estou contente com minha atuação. Não acredito que comprometi. Os jogadores do Corinthians não tiveram chances diante do Marcos. Só nas faltas. Eu e todo o time fomos bem", dizia para espanto generalizado.Sobre a expulsão, Glauber, não quis criar polêmicas. "Foi um lance normal de jogo. O Gustavo Nery estava irritado durante toda a partida. Eu quis separá-lo do Nen e ele não entendeu. Acabou ficando irritado comigo e veio a expulsão. Foi uma pena."Candinho também defendeu seu jogador. "Não foi culpa do menino. Em clássico todos ficam com os nervos à flor da pele. O Glauber apenas se defendeu. Não temos de crucificar ninguém, sair caçando culpados pela derrota. Perdemos todos."Mas Candinho acabou se contradizendo cinco minutos depois. O treinador afirmou que se a diretoria conseguir buscar um zagueiro experiente, o esquema do Palmeiras mudará. "Vou parar de usar três zagueiros. Acredito que o time perde no meio-de-campo. Assim que os dirigentes me derem um atleta experiente, passo a atuar no 4-4-1." Ou seja: os dias de Glauber estão contados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.