Palmeirense arranca orelha de gozador no interior do Estado do Paraná

Ricardo Luiz da Silva agrediu Fabrício Garcia de Lemos depois de ouvir algumas piadas sobre o rebaixamento da equipe paulista no Campeonato Brasileiro

JULIO CESAR LIMA, Agência Estado

27 de novembro de 2012 | 21h05

CURITIBA - O rebaixamento do Palmeiras para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro foi o pivô de uma agressão dupla contra Fabrício Garcia de Lemos, de 31 anos, no Jardim Independência, em Sarandi (PR), na região metropolitana de Maringá (405 quilômetros de Curitiba). Ricardo Luiz da Silva agrediu Fabrício depois de ouvir algumas piadas sobre o rebaixamento da equipe paulista.

Além da briga corporal, Ricardo, que é pedreiro e estava com uma machita na mão (aparelho com serras circulares), arrancou um pedaço da orelha da vítima e o agrediu com a serra por várias vezes. A mulher do agressor, Edlen, também participou da briga e o casal foi levado para a delegacia local logo em seguida. Os dois devem responder pelo crime de lesão corporal. Já Fabrício, foi levado para o Hospital Metropolitano.

Segundo a Polícia Militar, a confusão começou dentro de um bar, onde ambos bebiam. "Fomos avisados de que estava ocorrendo um problema e logo fomos para o local, onde tomamos as providências", disse o policial Conceição. Ao chegar na delegacia, coberto de sangue, o casal admitiu as agressões e somente a mulher, que pediu para rezar antes de entrar no prédio, parecia mostrar arrependimento. "Deixe eu orar, deixe eu orar!", gritava. Ricardo, por sua vez, preferiu pôr a culpa no Palmeiras e disse que não aceitava brincadeira de ninguém.

O rebaixamento provocou a revolta de alguns torcedores do Palmeiras. Em São Paulo, a loja do clube foi depredada na madrugada logo após o empate com o Flamengo, resultado que decretou a queda, dia 18 de novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.