Palmeirenses admitem jogo ruim e pensam no clássico

Felipão e jogadores saem do Pacaembu lamentando empate contra o Oeste

Daniel Akstein Batista, Agência Estado

23 de fevereiro de 2012 | 22h58

O empate contra o Oeste tirou o Palmeiras da ponta da tabela de classificação, mas os jogadores tentam não se abater. O que eles não negam, porém, é que o time ficou devendo nesta quinta-feira, no Pacaembu. "Foi ruim, mas futebol é assim", disse Marcos Assunção. "Não são todos os jogos que vamos ganhar, fizemos o que era possível".

O meia Daniel Carvalho, que cansado deixou o time no segundo tempo, pede para que o elenco esqueça a partida desta quinta e comece a pensar no São Paulo. "Temos de esquecer esse empate porque domingo tem clássico. Não podemos lamentar ou ficarmos chateados. É natural que em uma competição longa tenhamos altos e baixos. Mas ainda tem muita rodada pela frente".

Felipão também não gostou muito do placar. "Acho que o resultado foi justo, pelo que jogou o Oeste. O que surpreende é a forma como as equipes se portam contra os grandes: é vida ou morte pra eles. Se tivesse alguém que deveria vencer, era o Oeste", falou. "Não fomos bem, mas também não foi tão mal assim pra ficar preocupado".

Sobre a entrada de Bruno no gol, Felipão tratou de defender Deola e avisou que não o vetou por ter ido mal em jogos passados. "Não é poupar, é para dar ritmo a todos os jogadores", explicou. "Preciso ter um goleiro que esteja em condição caso tenha de utilizá-lo em algum jogo". Bruno admite que ficou surpreso com a escalação. "Fiquei sabendo na preleção que eu ia jogar. E acho que não foi pênalti", disse ainda sobre o lance que resultou no gol adversário.

Já o atacante Maikon Leite comemorou o seu segundo gol marcado na competição. "Acreditei na jogada, temos de chegar em todas as bolas", falou, sobre o rebote que pegou do goleiro.

A torcida palmeirense reclamou o jogo todo da arbitragem de Marcelo Prieto Alfieri. Já Felipão preferiu não opinar sobre a atuação do juiz. "Não vou falar nada de arbitragem Em um clássico (contra o Corinthians, no ano passado) já não falei e tomei seis jogos de gancho. Se eu falar algo agora, vou parar num pedestal la na Federação", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.