Palmeirenses dizem que psicólogo tranquilizou o time

Palmeirenses dizem que psicólogo tranquilizou o time

Henrique revela exibição de vídeos motivacionais, enquanto Dorival exalta importância do motivador e agradece participação da torcida

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

26 Setembro 2014 | 09h58

Os dias que sucederam a derrota sofrida para o Goiás por 6 a 0, no último domingo, pelo Campeonato Brasileiro, foram de intensas mudanças no Palmeiras e uma delas, em especial, ajudou os jogadores a recuperar a confiança para nesta quinta-feira no Pacaembu, ganharem do Vitória por 2 a 0. Após a partida, o elenco reconheceu que a contratação de um motivador foi crucial para esquecer o vexame e adquirir tranquilidade.

A diretoria contratou o psicólogo esportivo Lulinha Tavares no começo desta semana com o propósito de tornar o elenco mais seguro e autoconfiante. O motivador já se reuniu com o elenco e inclusive foi junto com a delegação para o estádio do Pacaembu. "Ele teve uma reunião com a gente, mais para conversar mesmo, e passou uns vídeos para a gente. Cada jogador assimilou. Tudo o que é bom para, temos que receber", disse o atacante Henrique, autor do segundo gol da vitória.

O técnico Dorival Junior reconheceu a importância do trabalho do psicólogo e disse que como a equipe vive um momento delicado e de luta contra o rebaixamento, é necessário ter atenção a qualquer detalhe que possa ajudar. "A participação do motivador foi importante. Se a equipe não tivesse se preparado adequadamente, nada disso teria acontecido. Vamos procurar ampliar isso tudo", disse o técnico.

Fora o trabalho do psicólogo, Dorival comentou que a presença da torcida foi fundamental para a equipe não se abater e jogar bem contra o Vitória. Para o técnico, o time se sentiu com respaldo mesmo após a goleada. "Não tivemos uma vaia, nada de agressão e o comportamento do time correspondeu ao que a torcida ansiava. A participação dos torcedores tem sido muito importante", explicou.

Mais conteúdo sobre:
futebol Brasileirão Palmeiras psicólogo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.