Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Palmeirenses garantem que estão preparados para encarar o Santos

Rivalidade foi grande em 2015, mas garantia é de jogo leal na Vila

O Estado de S. Paulo

18 de abril de 2016 | 23h37

Vinicius Furlan apitou o fim de jogo no Allianz Parque e o assunto dos palmeirenses já era o confronto da semifinal com o Santos, com o qual disputou duas finais no ano passado e criou uma forte rivalidade. E o discurso dos jogadores verdes seguiu a linha de que estão “preparados” para uma grande apresentação na Vila Belmiro.

Nesta terça-feira acontece o arbitral na FPF para definir qual o dia do jogo – deve ser confirmado domingo, 18h30. Como não joga no meio de semana, o Palmeiras estará descansado para o duelo, enquanto os rivais fazem viagem longa até o Amapá pela Copa do Brasil.

“Temos uma semana cheia para trabalhar e se preparar para fazer um grande jogo com o Santos. Vamos lá para se garantir na final”, afirmou o zagueiro Vitor Hugo. “Graças a Deus conseguimos vencer hoje, de um time bem encaixado, que vinha bem diante dos grandes. Temos de dar méritos a eles e agora vamos ver o que acontece na semifinal.”

Em crescimento sob o comando do técnico Cuca, o lateral Egídio (cruzou para o gol de Alecsandro) também prevê belo espetáculo na Vila Belmiro. “Sabíamos que ia ser difícil diante do São Bernardo. Agora é clássico, decisão, sempre com motivação a mais, maior, e é assim que vamos encarar”, afirmou. “Temos a semana toda para descansar e treinar para essa grande final”, enfatizou.

Resta saber como o Palmeiras irá se comportar diante de um time que não perde em sua casa faz 25 jogos e, de acordo com punição da FPF, será apenas com a torcida do mandante (a FPF ainda tenta reverter essa punição da justiça).

Dudu, que está de volta ao time após se recuperar de lesão e foi personagem à parte nas decisões de 2015, ao perder pênalti na final do Paulista e ao anotar dois gols no título da Copa do Brasil, já se prepara para brilhar novamente diante do rival.

“Nos últimos jogos criamos uma rivalidade grande, mas nosso time está preparado para esse jogo. Nos encontramos de novo agora numa semifinal. Vamos trabalhar bem a semana para domingo ir lá e vencer”, discursou. E já fez lobby para voltar ao time titular. “Estou bem, deu para correr, agora é continuar trabalhando, respeitando quem vem jogando, mas se eu entrar, espero fazer como diante do Corinthians, hoje comecei a jogada do segundo gol...”

Os jogadores falam da rivalidade, já o técnico Cuca evita criar um clima de guerra. “Se fosse com Corinthians seria a mesma coisa. Temos o Santos, era um dos dois. Será um jogo de uma torcida só, mas com a motivação temos de tomar cuidado”, explicou. “Tem de ser rivalidade sadia, senão acabamos tendo um jogador expulso. Eu motivava muito meus times, passava até dos limites. Um dia no Maracanã, dei pilhada grande no Botafogo e tive de tirar um jogador com 15, 20 minutos, por que não parava de chorar”, lembrou. “Tem de deixar o jogo ser natural. Não instigar provocação, tomar cuidado com violência, senão vira coisa ruim. Vamos lá para medir forças com o time do Dorival Junior, meu parceirão e que está fazendo um belo trabalho.”


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.