Palmeirenses sofrem com ira da torcida

A torcida pegou no pé de alguns jogadores durante a vitória sobre o Criciúma, sábado, no Palestra Itália. Lúcio, Claudecir, Diego Souza e Thiago Gentil, além do técnico Estevam Soares, foram os mais vaiados. Após o jogo, eles responderam à torcida. O mais magoado era Lúcio, que ganhou dos torcedores um coro só para ele ("Lúcio vagabundo / é o pior lateral do mundo"). "A torcida tem direito de protestar, mas desde que faça isso com respeito. Aqui não tem vagabundo nenhum. Somos todos atletas profissionais, com um dom recebido de Deus".Thiago Gentil, por sua vez, até tentou selar a paz com a torcida. Quando marcou o segundo gol palmeirense, foi beijar o símbolo do clube, desenhado no gramado, que fica atrás de uma das traves do estádio. Mas a torcida nem quis saber. E continuou vaiando o atacante. "Fui beijar o símbolo porque devo tudo o que tenho a este clube, onde jogo desde os 12 anos", disse Thiago Gentil. "Acho que a torcida não pode protestar, pois estamos muito perto da Libertadores", emendou Claudecir.Já Estevam classificou as vaias como o "protesto de uma meia dúzia de babacas". E o atacante Ricardinho, autor do gol da vitória e um dos poucos festejados pela torcida, rejeitou o rótulo de herói da partida. "Só fiz a minha parte. Todos foram heróis", disse Ricardinho, prestes a ter seu contrato renovado.Férias - O lateral-esquerdo Lúcio e o meia Elson, que receberam o terceiro cartão amarelo contra o Criciúma, sábado passado, também receberam férias antecipadas, já que não seriam mais aproveitados este ano - o último jogo é domingo, contra o Fluminense, no Rio de Janeiro.Além de Lúcio e Elson, outros dez jogadores já haviam recebido férias: os machucados Marcos e Pedrinho, e mais Sérgio, Gláuber, Alceu, Leonardo, Baiano, Corrêa, Adãozinho e Adriano Chuva. Todos esses podem ser negociados no final do ano. E Baiano e Adãozinho, que ficaram sem contrato, nem voltam mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.