Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Palmeirenses temem pela segurança em clássico contra o Corinthians

Comissão técnica faz alerta e pede segurança reforçada no Pacaembu

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

10 de fevereiro de 2014 | 11h44

SÃO PAULO - O clássico entre Corinthians e Palmeiras por si só já é tenso, mas neste domingo, no Pacaembu, a expectativa é ainda maior por causa do momento turbulento que vive o time alvinegro. Por isso, os jogadores e comissão técnica palmeirenses admitem preocupação com a partida e pedem segurança reforçada no estádio.

"Querendo ou não, a violência está batendo às nossas portas e é claro que tenho essa preocupação. O que aconteceu não foi um fato isolado que não vai acontecer mais (invasão de torcida no CT do Corinthians). As autoridades têm de tomar as atitudes cabíveis, porque pancadaria é inadmissível", alertou o técnico Gilson Kleina.

No dia 1º, cerca de 200 torcedores do Corinthians invadiram o centro de treinamento da equipe e causaram pânico. Dias depois, houve confusão entre corintianos e policiais nas arquibancadas durante a derrota por 2 a 0 para o Bragantino, no Pacaembu. Jogadores que já sofreram com a violência da torcida palmeirense, o goleiro Fernando Prass e o meia Valdivia também não escondem a preocupação.

"Quem tem de dar seguranças para os jogadores precisa se manifestar. Se os jogadores criarem uma tormenta para o jogo, a tormenta vai acontecer. Temos de pedir para que os torcedores lotem o Pacaembu apenas para torcer. Assim, a gente faz o melhor dentro de campo e tentaremos fazer um futebol melhor, sem violência", disse o chileno, que já se envolveu em várias confusões com membros da torcida organizada Mancha Verde.

ORELHA RASGADA

O goleiro Fernando Prass, que teve a orelha cortada após um torcedor arremessar uma xícara contra ele, durante confusão na Argentina, quando o Palmeiras voltava de uma partida na Libertadores no ano passado, alertou para o fato de que o estádio também terá torcedores palmeirenses, mesmo que o Corinthians seja o mandante do clássico, o que poderia aumentar ainda mais a tensão das torcidas, já que eles devem se provocar bastante durante o jogo.

"Mesmo que venha parte da torcida do Palmeiras, o momento do Corinthians é muito tenso. Em um clássico, a derrota potencializa isso. Então tenho certeza de que terá um cuidado especial com a segurança", alertou o goleiro e capitão do Palmeiras.

O elenco do Palmeiras está de folga nesta segunda-feira e a reapresentação acontece na tarde desta terça-feira na Academia de Futebol. O time lidera o Grupo D do Campeonato Paulista com 19 pontos após empatar com o Audax, por 1 a 1, domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.