Erik S. Lesser/EFE
Erik S. Lesser/EFE

Panamá busca a sua 1ª vitória em Copa diante da Tunísia: 'Felicidade para o país'

Já eliminador, panamenhos encerram participação no Mundial nesta quinta-feira

Estadão Conteúdo

27 Junho 2018 | 16h50

O Panamá não tem mais chances de classificação às oitavas de final, mas ainda pode fazer história contra a Tunísia nesta quinta-feira, às 11 horas (de Brasília), na Arena Mordovia, em Saransk, pela terceira rodada do Grupo G. Em sua primeira participação em Copa do Mundo, os panamenhos buscam vitória inédita na competição.

+ Atacante do Panamá sofre lesão e se torna desfalque em despedida da Copa

+ Zagueiro tunisiano confia em quebrar jejum de 40 anos sem vitória em Copas

Para o técnico colombiano Hernan Dario Gomez, um possível triunfo "seria felicidade para o país", depois das derrotas para Inglaterra (6 a 1) e Bélgica (3 a 0). "Nós estamos tranquilos e espero conseguir um resultado positivo para o Panamá. A Tunísia não é um rival tão intenso, tão duro quanto os dois europeus, ainda não somos favoritos aqui e a intenção é levar algo para o Panamá".

Apesar de dizer que o grupo de jogadores está calmo, o treinador afirmou que o desafio é equilibrar as ações: nem ir tanto ao ataque para expor a defesa, nem ficar tão recuado. "Devemos manter o equilíbrio no ataque e na defesa para vencer. A Copa do Mundo nos deixou importantes lições. É um torneio onde a concentração é vital. Espero que os jogadores consigam impor nossa preparação".

O volante Aníbal Godoy está confiante em fazer história. "Seria histórico alcançar a vitória. Queremos dar essa alegria a todos. A experiência na Rússia tem sido um esforço da equipe, da federação e de todos que nos apoiaram".

 

Mas o jogador não espera jogo fácil. "Nossa ideia de futebol permanece. Devemos aproveitar nossas oportunidades. Temos um adversário difícil, mas vamos tentar nos despedir da melhor maneira".

O defensor Felipe Baloy, autor do gol na goleada sofrida para a Inglaterra, anunciou a sua despedida da seleção contra a Tunísia. "Não sei se jogarei ou não, mas definitivamente é minha última partida com a seleção", afirmou o atleta de 37 anos, do CSD Municipal, da Guatemala, com passagem pelo Grêmio e pelo Atlético Paranaense.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.