Pancadaria anima treino do São Paulo

Uma brincadeira agressiva ? o chamado corredor polonês ?, muito utilizada no Exército e nas torcidas uniformizadas, serviu para motivar o treino desta quarta-feira do São Paulo. A idéia era simples: os jogadores que perdiam eram obrigados a passar entre duas filas de atletas e sofrer punição. No primeiro corredor, era permitido dar tapas nas costas. No segundo, estavam liberados golpes com camisetas cheias de nós. O único ferido foi Tiago, que acabou com o supercílio esquerdo aberto e teve de tomar três pontos para fechar o corte.?Foi uma brincadeira comum no futebol. Tivemos um ano muito estressante. Nós treinamos sério antes. Depois, liberamos esses corredores poloneses. O que aconteceu com o Tiago não é nada demais. Quem acha que foi violento é esse pessoal que fica no escritório e nunca jogou bola. Todos riram muito ao final do treino?, disse o auxiliar-técnico Milton Cruz.A empolgação com que os atletas se dedicaram aos golpes foi impressionante. Na primeira parte do treino, foram divididos em três times que jogavam com três traves. A equipe que sofria o gol era obrigada a passar pelo corredor polonês.A segunda foi bem mais animada. ?Os jogadores pediram e fizeram o tradicional clássico: pretos contra brancos. Aí, todos lutaram para ganhar o jogo. No final a vitória foi dos brancos por 4 a 2. E os negros tiveram de enfrentar o corredor polonês. Foi tudo brincadeira. E eu acho que as fotos devem enganar. Não foi nada violento. Tivemos uma atividade física intensa, com grande motivação dos jogadores?, insistiu Milton Cruz.Os atletas não quiseram comentar a brincadeira. ?Foi uma coisa nossa. Não vou falar nada?, disse Fabiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.