Daniel Augusto Jr/Divulgação
Daniel Augusto Jr/Divulgação

Paolo Guerrero garante foco corintiano na Ponte Preta

Atacante diz que equipe está preparada para dividir as atenções e se classificar na Libertadores e no Paulistão

Vítor Marques, Agência Estado

24 de abril de 2013 | 12h01

SÃO PAULO - Apesar de reviver a final contra o Boca Juniors a partir da próxima quarta-feira, dessa vez pelas oitavas de final da Libertadores, o Corinthians quer pensar num compromisso de cada vez. Por isso, o foco corintiano no momento, segundo assegurou o atacante peruano Guerrero, é o jogo com a Ponte Preta, domingo, em Campinas, pelas quartas de final do Paulistão.

"Estamos mentalmente preparados para dividir as atenções (entre as duas competições), para jogar no domingo e conseguir a classificação contra a Ponte e só depois pensar no Boca", avisou Guerrero, durante entrevista coletiva nesta quarta-feira, após o treino no CT do Parque Ecológico. Segundo ele, o Corinthians tem que buscar os dois títulos, sem priorizar. "Para mim, o objetivo é ganhar o Paulista e a Libertadores. Estou muito motivado."

Guerrero tratou de elogiar o rival de domingo, que fez campanha melhor do que o Corinthians na primeira fase do Paulistão - foram três pontos de diferença entre os dois (38 a 35) - e, por isso, tem a vantagem de fazer a partida decisiva em seu estádio. "Seguramente será um jogo difícil. A Ponte tem um bom time, vai jogar em casa, mas estamos preparados para jogar em Campinas", afirmou o peruano.

Garantindo estar pronto para encarar os jogos decisivos que o Corinthians terá pela frente nas próximas semanas, Guerrero evita falar sobre o reencontro corintiano com o Boca Juniors, depois do título conquistado na final da Libertadores do ano passado. O momento, segundo ele, é de se concentrar na Ponte Preta. E a expectativa do peruano é de deixar sua marca no domingo.

"Estou com muita vontade de fazer gols no domingo", disse Guerrero. Artilheiro do Corinthians na temporada, com 11 gols marcados, ele promete continuar ajudando a equipe, mesmo que não consiga marcar mais vezes. "Não sou de projetar quantos gols vou fazer no ano. O mais importante para mim é ajudar o time, dar o passe para alguém. Quero que o time ganhe mais do que eu faça os gols."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.