Papa condena morte de policial após jogo do Italiano

O Papa Bento XVI condenou nesta segunda-feira "os gestos de violência que mancham o mundo do futebol" e pediu respeito às leis no telegrama de pêsames pela morte do policial Filippo Raciti nos confrontos após o jogo entre Catania e Palermo, na Sicília. No telegrama, que foi enviado ao Arcebispo de Catânia, Salvatore Gristina, o Papa pede "aos protagonistas que promovam com maior determinação o respeito às leis, favorecendo a lealdade, a solidariedade e a saudável competitividade". Além disso, o Papa diz se sentir próximo aos familiares de Raciti e aos feridos e policiais empenhados junto a outras forças de segurança para manter a segurança dos cidadãos. Um dos apresentadores mais famosos da televisão italiana, o siciliano Pippo Baudo, criticou o Papa no domingo, durante um dos programas de grande audiência da cadeia estatal RAI, por não ter falado da questão durante o Ângelus. Baudo também criticou a Igreja italiana por não ter suspenso as festas patronais em Catânia, onde ocorreram os distúrbios. O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que eram "críticas inapropriadas", já que representantes da Santa Sé já tinham condenado o episódio, como o "Osservatore Romano", que pediu a suspensão do campeonato por pelo menos um ano.Detido o vigilante do estádio de CataniaFoi detido nesta segunda-feira o vigilante do estádio Angelo Massimino, de Catânia, que na última sexta-feira foi palco da série de agressões que resultaram na morte de um inspetor de Polícia, na partida entre a equipe da casa e o Palermo. O detido, segundo informam as televisões italianas, teria guardado no local armas, bastões e outros materiais utilizados pelos torcedores do Catania durante os incidentes. *Atualizado às 11h40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.