Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Para atingir objetivo, Palmeiras só pensa no G-4 do Brasileiro

Clube quer se garantir na Libertadores do ano que vem

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2015 | 07h00

Estar na Copa Libertadores do ano que vem é quase uma obsessão da diretoria do Palmeiras e isso pode ser conquistado se o time ficar no G-4 do Brasileiro ou com o título da Copa do Brasil, que começa a ser decidido no dia 25 de novembro. Para atacar em todas as vertentes possíveis e atingir o objetivo, a ordem é esquecer a decisão com o Santos e focar apenas no Nacional.

O pensamento entre a comissão técnica e a diretoria é simples e lógico. O Palmeiras está há apenas dois pontos do quarto lugar no Brasileiro, o Santos, por isso, está vivo na briga pelo G-4, que pode virar G-5, caso o campeão da Copa do Brasil fique entre os quatro primeiros. Mas, se o time alviverde resolver se preservar até a decisão e perder, correrá o risco de não ter a vaga na Libertadores por nenhuma das competições.

Assim, a meta é lutar o máximo para conseguir somar pontos nas quatro rodadas que serão disputadas até o primeiro jogo da final. As partidas são contra Santos, Vasco, Atlético-PR e Cruzeiro, sendo que os confrontos com os cariocas e mineiros serão no Allianz Parque.

Até lá, a ideia é não poupar ninguém, exceto, claro, se algum jogador estiver ameaçado de lesão ou com dores. Esse pensamento já vale para o clássico contra o Santos, onde Marcelo Oliveira deve repetir a formação que jogou com o Fluminense. A única mudança pode ser a entrada de Thiago Santos.

O treinador está preocupado também com um possível relaxamento. “Já comemoramos a classificação e agora é ter ambição constante. Não é só atingir um objetivo e se sentir aliviado, com crédito. Isso não existe em um time da grandeza do Palmeiras.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.