Vitor Silva/ Botafogo
Vitor Silva/ Botafogo

Para Bruno Nazário, Botafogo mereceu o empate: 'Nosso time aguentou lá atrás'

Meia considerou justo o placar do jogo contra o Athletico-PR

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2020 | 22h02

Um dos destaques do Botafogo no empate por 1 a 1 com o Athletico-PR, o meia Bruno Nazário considerou justo o placar do jogo disputado nesta quarta-feira, pela nona rodada do Brasileiro. acabou sendo justo, apesar do maior volume de jogo do adversário.

"Eles pressionaram muito, tanto no início como no fim do jogo, mas acho que nosso time se aguentou bem lá atrás", disse o meia, que reconheceu que no primeiro tempo o Botafogo teve dificuldades para sair da defesa. "Acho que foi mérito do time deles, que marcou a gente lá em cima. Daí ficou difícil a gente fazer a ligação para o ataque", comentou.

Nazário explicou também porque não quis cobrar o pênalti no segundo tempo, quando entregou a bola nas mãos do capitão Victor Luis. "Ele estava determinado em campo e tinha certeza que cobraria muito bem", afirmou Nazário, referindo-se ao capitão botafoguense nesta quarta. Victor Luis bateu forte e no alto, além de deslocar o goleiro Santos que caiu para o lado direito e viu a bola entrar no outro lado.

No primeiro tempo, Nazário chegou a balançar as redes 28 minutos, após cruzamento na linha de fundo de Caio Alexandre. O árbitro de vídeo, porém, apontou impedimento no momento em que Kevin lançou Caio Alexandre pelo lado direito. "Foi uma pena porque eu peguei de primeira e fiz o gol".

Bruno Nazário até ensaiou uma comemoração, abrindo os braços, mas depois segurou a euforia dos companheiros porque não queria comemorar contra seu ex-clube, o Athletico. "O clube sempre me apoiou na carreira e não gostaria de festejar aqui na casa deles em sinal de respeito", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.