Kamil Zihnioglu/AP
Kamil Zihnioglu/AP

Contratação de Neymar pelo Paris Saint-Germain tem fins políticos para o Catar

Emir tenta demonstrar que regime continua a operar em normalidade apesar de embargo imposto ao país

Jamil Chade / CORRESPONDENTE EM GENEBRA, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2017 | 11h30

Na última sexta-feira, mesmo dia em que o Catar apresentava ao mundo sua nova joia, o atacante Neymar, vestido com as cores ocidentais de um time francês, o Paris Saint-Germain, a diplomacia do minúsculo país árabe lavava aos tribunais da Organização Mundial do Comércio seus vizinhos por conta de um embargo imposto sobre o país. Os dois eventos, ainda que ocorressem no mesmo dia por coincidência, eram dois lados de uma mesma moeda.

Acusado de financiar o terrorismo e de desestabilizar o golfo, o Catar vive sua pior crise política. O abastecimento foi dificultado pelas medidas tomadas pelos países vizinhos, que passaram a fazer exigências para acabar com o bloqueio contra o regime de Doha.

Para diplomatas, não foi por acaso que o Catar mandou uma mensagem clara a todos no comando do PSG, clube sob seu controle direto: não economizem na publicidade ao apresentar Neymar ao mundo. A ordem era de que duas mensagens subliminares deveriam ser passadas.

A primeira era de que, apesar do bloqueio, o emir no Catar quer demonstrar que o regime continua a operar em uma normalidade e que não irá ceder. Sede da Copa de 2022, o Catar insiste que o bloqueio não tem afetado as obras para o Mundial. Mas precisam garantir que o mundo mantenha uma imagem positiva do país e que a rixa com os vizinhos árabes não afete sua credibilidade no Ocidente.

Para ajudar nessa campanha, o espanhol Xavi Hernandez publicou um vídeo pedindo o fim do embargo comercial contra o Catar, quanto Pique e Busquets viajaram até Doha para visitar uma academia de futebol local.

Mas nada se equipara ao impacto que foi criado com o desembarque de Neymar em Paris. Para diplomatas consultados pelo Estado, o investimento faz parte de uma estratégia que poderia ser equivalente a um “seguro de vida” para o regime do Emir.

E é ali que está o segundo recado, camuflado na pompa e grandiosidade da apresentação do jogador: por mais que se acuse o Catar de financiar o terrorismo, é do país árabe que vem hoje os recursos quem abalam as estruturas do esporte mais popular do ocidente.

O futebol, que há anos havia sido escolhido como instrumento de poder e influência do Catar pelo mundo, uma vez mais voltou a ser usado e com Neymar como uma nova plataforma. Se para o mundo do futebol 222 milhões de euros (R$ 824 milhões) é muito dinheiro, na política esse valor tem uma outra dimensão.

“Com essas ações, o Catar está no fundo fazendo um seguro de vida”, admitiu um negociador de Doha, na condição de anonimato. Se Emmanuel Macron, presidente da França, comemorou oficialmente a chegada do brasileiro em seu país, a lógica do Catar é de que, se a família real for um dia ameaçada, retrucaria com o fim dos investimentos que hoje garantem o orgulho “nacional” francês de poder disputar em pé de igualdade com os rivais os trofeus mais cobiçados do mundo.

E Neymar seria apenas a ponta de um ice-berg de dezenas de investimentos do Catar pela Europa. Mas, a partir de agora, talvez seu maior trunfo público e midiático para influenciar a comunidade internacional de que ter o Catar como parceiro pode trazer benefícios mútuos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.