Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Pará celebra evolução do Flamengo e diz que Dorival deu 'chacoalhada' no time

Time carioca dá a volta por cima com a chegada do novo treinador

Estadao Conteudo

19 Outubro 2018 | 17h26

Vindo de duas vitórias consecutivas por 3 a 0, sobre Corinthians e Fluminense, o Flamengo parece ter se reencontrado e voltou à briga pelo título do Campeonato Brasileiro. A evolução da equipe coincide com a chegada do técnico Dorival Júnior, apontado por Pará como grande responsável por esta boa fase.

"Claro que a gente ainda tem muito para crescer e evoluir. Mas está nítido que o Dorival tem conseguido colocar o que vem treinando nas semanas. As coisas acontecendo da melhor maneira possível e acredito que estamos no caminho certo", declarou o lateral nesta sexta-feira.

Nas três partidas sob o comando de Dorival, o Flamengo não sofreu gols, mas é o desempenho ofensivo que tem se destacado. Contra Corinthians e Fluminense, o time rubro-negro chegou aos gols com certa facilidade, e até Uribe desencantou. Pará creditou a evolução ao "chacoalhão" do técnico no elenco.

"Sempre jogamos para frente, é o DNA do Flamengo, mas com o Barbieri as coisas não estavam encaixando, fluindo. Com o Dorival, as coisas acontecem naturalmente, as bolas chegam mais para os jogadores de beirada. Dorival deu uma chacoalhada no vestiário", comentou.

O jogador espera que a boa fase continue no próximo compromisso flamenguista, contra o lanterna Paraná, domingo, em Curitiba. A quatro pontos do líder Palmeiras, o time carioca precisa da vitória para seguir na briga. Mas, mesmo diante da fragilidade do adversário, Pará acredita que será uma partida bastante difícil.

"A gente sabe que domingo vai ser um jogo difícil contra o Paraná, mesmo eles estando nessa situação. É uma grande equipe e tem um treinador que quer tirar o time dessa situação incomoda. Independente disso, temos que fazer um grande jogo", considerou o lateral.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Flamengofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.