Para continuar na Série C, Mogi Mirim entra na Justiça comum

Time de Rivaldo quer que CBF puna o Betim-MG para permanecer na briga pelo título do torneio

AE, Agência Estado

22 de outubro de 2013 | 19h52

MOGI MIRIM - O Mogi Mirim resolveu agir e nesta terça-feira entrou com uma ação na Justiça comum contra a CBF, com a intenção de obrigá-la a cumprir a determinação da Fifa e retirar os seis pontos do Betim-MG na Série C do Campeonato Brasileiro. Desta forma, o time paulista quer que a CBF marque uma nova data para o duelo contra o Santa Cruz, pelas quartas de final. A ação foi protocolada na 42.ª Vara Cível do Rio de Janeiro, cidade onde a entidade máxima do futebol brasileira está situada. A expectativa do Mogi é que tenha uma definição o mais rápido possível e que o clube consiga enfrentar o Santa Cruz, sonhando com uma vaga na Série B.

O presidente do clube, Rivaldo, afirmou que confia muito na CBF e na Fifa e tem fé que o Betim perderá os seis pontos, cumprindo uma punição imposta pela Fifa, por conta de uma dívida com o The Strongest, da Bolívia, numa negociação envolvendo o atacante boliviano Pablo Escobar - na época a negociação aconteceu com o Ipatinga, antes da transferência do clube para Betim.

O imbróglio teve início quando a Fifa solicitou à CBF punir o Betim com a perda de seis pontos na Série C por não ter supostamente cumprido com sua dívida junto ao The Strongest. A CBF acatou a decisão e tirou os pontos que acabaram eliminando o Betim da disputa. Ao remover o time mineiro das quartas de final, a entidade colocou o Mogi Mirim no duelo contra o Santa Cruz. Insatisfeito, o Betim acionou a Justiça comum e obteve liminar para voltar ao campeonato. Novamente a CBF acabou a decisão e devolveu o Betim à disputa e deixou o Mogi de fora. Agora é a vez do Mogi acionar a Justiça comum para conseguir a vaga nas quartas de final da Série C.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSérie CMogi Mirim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.